Seminário sobre Infância, Violência e Deficiência

A FENACERCI, Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social realizou um Seminário subornidado ao tema “Infância, Deficiência e Violência”. 

O objectivo central foi o de proceder à divulgação da brochura produzida no domínio da prevenção primária da violência doméstica pela parceria do projecto “Violência, Infância e Deficiência”, a saber, Melissa Filippini & Evert-Jan Hoogerwerf da AIAS Bologna de Itália (promotores); Susana Lúcio da FENACERCI e Ana Rodrigues da Faculdade Motricidade Humana de Portugal; Georgia Fyca da Disability Now da Grécia e a Cristina Diaz e Ana Royo Salas da DFA de Espanha.

Este projecto foi desenvolvido entre o final de 2003 e 2004 no âmbito do Programa Comunitário DAPHNE e visou a prevenção da violência nas famílias com crianças com deficiência ou multideficiência (dos 0 aos 16 anos), dando especial importância aos casos em que as crianças são as vítimas. A estratégia preventiva da violência doméstica adoptada passou pela sensibilização de todos os potenciais destinatários (famílias e organizações da comunidade) para a existência de muitos factores de stress inerentes ao nascimento de uma criança com deficiência que, conjugados com a existência de outros fenómenos sociais comuns, como o isolamento social, a baixa auto-estima, o sentimento de culpa e a inexistência de uma rede social de apoio, podem determinar a existência de formas de violência física e/ou psicológica, no seio da família. 
A prevenção destas formas de violência passa portanto pela tomada de consciência destes factores, bem como pela promoção de níveis adequados de suporte e fomento de processos de empowerment.

Através deste evento a FENACERCI pretendeu sensibilizar as organizações locais que representam as famílias e as pessoas com deficiência, cooperativas de solidariedade social e outras ONG’S da área da reabilitação para o papel que podem desempenhar ao nível da definição, compreensão e prevenção primária da violência doméstica junto das famílias com crianças e jovens com deficiência.

Foi também objectivo da organização alertar para a importância da qualidade de atendimento no sentido da salvaguarda dos direitos fundamentais de cidadania e de um desenvolvimento harmonioso das crianças e jovens com deficiência, bem como lançar pistas de trabalho que conduzam a uma reflexão/formação sobre esta problemática.

Ler notícia na íntegra

 

Data de introdução: 2005-07-04



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...