FAMÍLIA

Portugueses casam cedo

Portugal é um dos países da Europa onde os jovens casam mais cedo, mas é também o que regista o maior aumento da taxa de divórcios, segundo um estudo sobre políticas de família a divulgar este fim-de-semana.

Elaborado por duas sociólogas da Universidade Católica, o estudo Comparativo das Políticas Familiares na Europa dos 15 entre 1990-2004, será apresentado durante o II Serão Nacional da Família. O encontro é promovido pela Associação Nacional de Famílias Numerosas e visa assinalar o Dia Internacional da Família que se celebra domingo.

Segundo o estudo, que cita dados da rede europeia de estatística (Eurostat), em Portugal, os homens casam em média aos 28 anos e as mulheres aos 26. A idade média do primeiro casamento na União Europeia, em 2002, e segundo dados da Eurostat, correspondia a 30 anos para os homens e cerca de 28 para as mulheres.

A Suécia é o país onde em média os homens e as mulheres casam mais tarde (33 e 30 anos respectivamente), assim como a Dinamarca, país onde as mulheres optam por casar aos 30 anos e os homens aos 32. Segue-se a Finlândia, com cerca de 31 anos para os homens e 29 para as mulheres. O Luxemburgo e os Países Baixos apresentam a mesma média, 31 anos/homens e 28 anos/mulheres, enquanto na Bélgica e na Áustria a idade é de 30 anos para os homens e 27 para as mulheres.

Relativamente aos divórcios, entre 1990 e 2003 Portugal destaca-se por ter registado um aumento de 1,2 por cento da taxa de divórcio, seguido da Bélgica que apresentou um aumento de um por cento. Os restantes países registaram um aumento ligeiro, destacando-se a Grécia e a Dinamarca com 0,4 por cento e o Luxemburgo com 0,3 por cento. A Finlândia foi o único país que manteve a mesma taxa nos anos em análise (2,6 por cento).

 

Data de introdução: 2005-05-18



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...