IDOSOS

Mais de 90 idosos colocados em lares sem licença

Mais de 90 idosos foram colocados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) em lares sem licença por falta de alternativas, revelou a provedora da instituição, Maria José Nogueira Pinto. "Em 2002 estavam em lares sem alvará 307 idosos, que foram sendo progressivamente transferidos para lares da Misericórdia e das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS). Neste momento, permanecem em lares sem licença 93 pessoas", afirmou a responsável.

Segundo Maria José Nogueira Pinto, estes 93 idosos serão igualmente transferidos para instituições com licença de funcionamento sempre que abrirem novas vagas, mas, neste momento, a única alternativa "é pô-los (aos idosos) na rua". A provedora ressalvou, no entanto, que o facto de os lares não terem alvará não significa que não tenham condições para funcionar e adiantou que a SCML assegura o acompanhamento destes idosos. "É preciso lembrar que só em Lisboa há cerca de 33 mil idosos isolados e a resposta da Misericórdia e das IPSS está, neste momento, esgotada", adiantou a provedora.

Na sequência das declarações da provedora à margem do VIII Congresso Nacional das Misericórdias, onde a responsável revelou a situação, o Governo exigiu hoje ao Instituto de Segurança Social (ISS) que investigue a colocação de idosos em lares sem licença de funcionamento.

O secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Marques, exigiu que o Instituto dê início de imediato "a uma acção de averiguação que permita confirmar a natureza deste procedimento" da SCML, refere um despacho elaborado hoje.

Contactado pela TSF, o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, afirmou não ter sido apanhado de surpresa. O cónego Francisco Crespo afirmou ter “conhecimento de casos em que é a própria Segurança Social” a reencaminhar idosos para lares sem alvará.

 

Data de introdução: 2005-05-13



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...