CASA DO GAIATO

Casa do Gaiato de Setúbal nega maus-tratos e critica Segurança Social

O responsável pela Casa do Gaiato em Setúbal, padre Júlio Pereira, negou a existência de "maus-tratos" a crianças na instituição e acusou a Segurança Social de querer "assenhorar-se" da Obra do Padre Américo. "Há uma tentativa da Segurança Social de se assenhorar das Casas do Gaiato, ou de nos obrigar a fazer tudo como eles querem", disse à Lusa o Padre Júlio Pereira, ao ser confrontado com a suspensão provisória do encaminhamento de crianças para a Casa do Gaiato.

"A grande prioridade das crianças é a escola, mas também temos tempos de estudo, horas livres e várias actividades, mas nada que se possa qualificar ou parecer com o trabalho infantil", disse o padre Júlio Pereira, negando, uma vez mais, a existência de "maus- tratos" a crianças da instituição.

"Na Casa do Gaiato vivemos como uma família, os rapazes são muito queridos de todos nós e não temos falta de roupa, comida e guloseimas, ao contrário do que terá sido referido no relatório da auditoria da Segurança Social", acrescentou o responsável da instituição em Setúbal.

Por outro lado, Júlio Pereira garantiu que os auditores da Segurança Social falaram com todos os jovens que entenderam, de uma forma totalmente livre e sem a presença dos responsáveis da instituição, mas alega que as "perguntas foram muito direccionadas para detectar eventuais casos de abuso sexual".

"Pelos comentários que ouvimos às crianças, percebemos que havia um certo dirigismo nas perguntas - se tinham namorados, se ia alguém dormir no quarto com eles e outras coisas insultuosas para as próprias crianças e para todos os que vivemos na Casa da Gaiato", esclareceu o padre.

Por outro lado, Júlio Pereira garante que teve apenas conhecimento de um caso de alegados abusos sexuais de crianças na Casa do Gaiato, que terá ainda de ser julgado no Tribunal de Setúbal.

Questionado sobre a decisão do Ministério da Segurança Social de suspender, provisoriamente, a entrega de crianças à Casa do Gaiato, o padre Júlio Pereira reconhece que não tem havido procura por parte da Segurança Social, mas acrescentou que na passada quarta-feira foi contactado pela Comissão de Protecção de Menores de Niza para acolher dois gémeos de 14 anos.

Quanto à eventual transferência de uma centena de crianças e jovens que vivem na Casa do Gaiato para outras instituições ou famílias de acolhimento, o padre Júlio Pereira acredita que tal não irá acontecer, mas não tem dúvidas de que as "principais vitimas seriam as crianças".

"Penso que aquilo que está por detrás de tudo isto é apenas o interesse de algumas pessoas e de alguns lobbies da Segurança Social, porque a Casa do Gaiato é uma obra totalmente livre na sua acção, não recebe dinheiro da Segurança Social e, por isso, não tem de obedecer aos requisitos que nos querem impor", acusou. "Querem ser eles a dirigir as Casas do Gaiato e comandar a Obra do Padre Américo, ou então fazer de nós funcionários da Segurança Social", concluiu.

O padre Júlio Pereira dirige a Casa do Gaiato de Setúbal desde Julho de 2001, tendo substituído no cargo o Padre Acílio Fernandes, que tinha sido eleito responsável nacional das cinco Casas do Gaiato que acolhem cerca de 500 crianças e jovens de todo o País.

 

Data de introdução: 2004-11-22



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...