OPINIÃO

O futuro a Deus pertence

1 - A greve geral de 27 de Junho que antecedeu e precipitou a actual crise política na maioria governamental – e, depois dela e a partir dela, no País – teve algumas características diferentes das anteriores.
Não estou a referir-me à grande adesão – a que muitos falantes chamam aderência, como os chicletes – que a greve evidenciou, bem como à convergência das duas centrais sindicais na convocação e organização conjunta do protesto.
A principal novidade foi mesmo o facto, inédito, de a greve geral dos trabalhadores ter tido a compreensão, senão mesmo o apoio expresso, das entidades patronais, através das respectivas confederações.
Na verdade, quer a Confederação dos Agricultores Portugueses – CAP -, quer a Confederação do Comércio de Portugal – CCP -, quer a Confederação Industrial Portuguesa - CIP – representando todo o tecido empresarial português, vieram reconhecer, em posição formal e pública, as razões dos trabalhadores quanto às queixas que estes vêm apresentando – seja por causa da perda ou da falta de emprego, seja pelos cortes nos salários e nas pensões, seja pelo empobrecimento geral que vai agravando as já de si tão difíceis condições de vida dos portugueses.
Em consequência – é esta a novidade –, as referidas Confederações patronais vieram considerar justa a greve e fundamentados os seus motivos.
Os cínicos dirão que não foi tanto a defesa dos direitos dos trabalhadores que moveu o patronato, antes o terá sido o facto de os trabalhadores serem igualmente consumidores e o seu progressivo empobrecimento ter conduzido a uma travagem brusca no consumo, pela perda – sim, digo “perda” quando me refiro àquilo que havia e passou a faltar, deixando a palavra “perca”, hoje tão largamente usada a este propósito, para uma espécie de peixe do Nilo – de rendimentos e consequente diminuição das vendas dos bens produzidos pelas empresas portuguesas.
Foi também seguramente isto, mas igualmente o facto de o empobrecimento ter atingido muitos pequenos empresários, inactivados pela falta de crédito às pequenas empresas, depauperados pela perda de mercados, espoliados pelo fisco e asfixiados pela falta de pagamento das dívidas de que são credores, entre elas as do Estado – dando expressão às teorias do marxismo sobre o facto de o desenvolvimento do capitalismo e a consequente concentração e acumulação do capital conduzir à proletarização de muitos pequenos empresários e comerciantes.
“Vem tudo nos compêndios”, como escrevia António Gedeão, no Poema do Coração.

2 - A este propósito, e para sairmos da vulgata em que os comentadores e os economistas da corte nos querem convencer, no seu jargão de uso privativo, da necessidade irremediável das medidas impostas pela troika, para assegurar a sustentabilidade das gerações do futuro, recorto de um artigo de opinião publicado no jornal Público de domingo passado, de Jorge Lains, sobre o Memorando de Entendimento, o seguinte passo: “Como foi possível levar a cabo um pacote de políticas teoricamente mal fundamentadas e instrumentalmente mal desenhadas? Como foi possível tanta gente ter caído durante tanto tempo e com tanto convencimento num erro de tamanha dimensão? A explicação tem de ir para além das inclinações ideológicas e dos desejos políticos e é preciso analisar quem de facto mais ganhou com essas escolhas, a nível nacional e internacional. Dessa análise só pode resultar uma conclusão, a saber, ganharam os interesses financeiros e os mais ricos da sociedade, em Portugal e noutros países. Perderam as pessoas menos abonadas, incluindo muitos empresários, e, com elas, a social-democracia e a integração europeias, e a globalização equilibrada e com futuro.”
É como nos romances policiais, que dantes líamos nas férias de Verão: no início, antes de estarmos por dentro da trama, a culpa parece ser sempre do mordomo.
Mas, no fim do romance, acabamos por verificar que a nossa intuição é que estava certa – e que o culpado não era o mordomo, era quem tinha interesse ou ficou a ganhar com o crime.
É como na gestão dos negócios públicos: também me parece, com Pedro Lains, que, se, no que levamos de crise, quem ficou perder foram os de sempre: os trabalhadores, os reformados e os pensionistas, os desempregados e os pobres, os pequenos empresários e comerciantes; e quem continuou a ganhar foram os de sempre: os bancos e os banqueiros, as grandes empresas rentistas e os monopólios, as PPP, as comissões e os favores, porque razão haveremos de pensar que o Memorando correu mal, ou que a crise internacional perturbou os objectivos – que eram – são sempre! – magníficos?
Para além do Memorando – pois não era esse o Programa?
Por que não pensar que tudo correu de acordo com o guião e que os resultados foram os queridos desde o início: para ganhar quem se queria que ganhasse; e para perder quem não importava que perdesse; para transferir ainda mais riqueza do trabalho para o capital, como desde o princípio do mundo.
O que foi a questão da diminuição da taxa da TSU para os patrões e o seu aumento para os trabalhadores, que originou a primeira grande crise na coligação de governo, senão um episódio, que se frustrou, dessa transferência de riqueza?

3 – Há um outro ponto, paralelo a este, que me vem causando uma perplexidade que não tenho conseguido resolver.
Também sobre ele há uma verdade e uma religião oficial, com os seus oficiantes próprios: a clique dos economistas e gestores que saltitam da banca e das empresas monopolistas para o governo, ou vice-versa; e os jornalistas que frequentam essa corte e que, ora preparam o terreno para as medidas mais penosas que se avizinham, ora debitam, como mera voz do dono, mas sob a aparência de independência e sabedoria, os recados que essa clique manda.
Trata-se daquilo a que chamam defesa da sustentabilidade do sistema de protecção social, com que todos enchem a boca, mas que não consiste noutra coisa senão em reduzir as pensões de reforma até ao osso, em nome da garantia da protecção social no futuro.
Não deixam nunca de lembrar o destino dos nossos filhos e dos nossos netos, quando procuram explicar-nos por que nos confiscam as pensões e as reformas.
Temos de perceber a necessidade de cortes severos agora, no que nos diz respeito, nos nossos direitos – é o que nos dizem - para aos nossos filhos e netos, daqui a 20 ou 30 ou 50 anos, não lhes faltar o apoio social.
Confesso que acho peculiar que os mesmos que se enganam nas previsões – em todas as previsões - para os próximos seis meses – que digo eu!? Para os próximos três meses … - nos queiram convencer com tanta antecedência e saibam com tanta convicção como vai ser, e que recursos serão necessários, daqui por 20, ou 30, ou 50 anos.
Com a vantagem de, daqui a tanto tempo, já nenhum de nós estar aqui para conferir as previsões: nem eu, que sou confiscado; nem o Governo, que confisca.
Assim, até eu servia para Ministro das Finanças.
É também uma ideia um pouco peregrina que queiram ser eles a conformar, com tantos anos de antecedência, o modo de vida e o tipo de organização social em que os nossos netos haverão de viver.
Melhor fora que nos governassem a nós, que vivemos hoje e que, por tal razão, os elegemos e perante quem respondem, e que o fizessem com escrúpulo e competência, do que quererem governar o futuro.
Tem razão José Pacheco Pereira, quando insiste, como vem fazendo a propósito desta crise continuada em que anda o País, que o Governo deve governar para os vivos – não para os que ainda não nasceram.
Esses saberão, quando chegar o tempo, escolher o modo de organização social que melhor responda aos seus anseios e necessidades.
E eleger – espero bem – os melhores para, no tempo deles, continuar a afirmação da nossa Pátria comum.
Mas essa escolha é com eles – não é connosco.


P.S. – A propósito de sustentabilidade da Segurança Social e da protecção do sistema para as gerações futuras: terá sido a pensar nesse futuro que Vítor Gaspar, na véspera da sua saída do Governo, deu ordens para que o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social vendesse aplicações financeiras seguras sobre o estrangeiro, para comprar dívida pública portuguesa, de elevado risco, até 90% dos seus fundos, por razões meramente de política financeira, sem qualquer racionalidade do ponto de vista do investimento.
Se houver um segundo resgate, e parte da dívida pública for perdoada, como na sucedeu na Grécia, toda essa parte perdoada vai à vida, fica perdida para a Segurança Social: acontece o mesmo que aos demais credores da dívida pública.
E perdida fica para os nossos filhos e netos, a quem pertence …

Henrique Rodrigues – Presidente do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2013-07-11



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...