OPINIãO

Portugal, meu avozinho

1- Quando eu andava na escola primária – como então se chamava -, na transição dos anos 50 para os anos 60 do século passado, a parede junto do estrado onde se situava a secretária do professor – de frente para os alunos, portanto –, além das inevitáveis fotografias do Presidente da República e do Presidente do Conselho, respectivamente Américo Tomas e Oliveira Salazar, tinha igualmente pendurada uma espécie de quadro, com os dizeres: “Chamamo-nos Portugal e nascemos há 8 séculos.”
Havia, espalhados pelas paredes da sala, outros ícones gráficos: por exemplo, um mapa-mundi, onde se assinalavam com a mesma cor os territórios sob o domínio português, para dar com clareza a noção da extensão e da dimensão pluricontinental do Império, bem como um dístico com os mandamentos civis hierarquizados: “Deus, Pátria, Família”.
Toda essa parafernália iconográfica tinha a função de fazer nascer ou reforçar nos catraios o patriotismo acrítico que constitui ingrediente de todos os regimes autoritários, como era então o regime em Portugal.
Para tanto, realçava-se o que, da nossa história, podia ser apresentado como sucesso, dando aos miúdos que então aprendiam a ler, a escrever e a contar, a ilusão de que o país pelintra, injusto e pobre que conheciam de sua casa e da sua vida era afinal uma potência no concerto das nações.
Mas alguma verdade existia por trás da propaganda.
Na verdade, então era já de mais de 8 séculos o passado de Portugal como Estado independente – iniciado pelo fundador, Afonso Henriques, em data todavia incerta: para uns, a Batalha de S. Mamede, em 1128, em que o Rei Fundador afrontou a sua Mãe, a Condessa D. Teresa; para outros, o Tratado de Zamora, entre D. Afonso Henriques e o primo, D. Afonso VII de Leão e Castela, em 1143; para outros, finalmente, a outorga, pelo Papa Alexandre III, da Bula “Manifestis probatum”, reconhecendo a independência do novo Estado, em 1179.
Era verdade a propaganda: já tínhamos mais de 8 séculos.
E hoje já vamos em quase 900 anos de vida como Estado, a celebrar dentro de 15 ou 30 anos.
É incerto, como vimos, o ano da Fundação.
Mas já não o é o da Refundação, do início de uma nova era.
Esse será o ano de 2013 – este mesmo, em que nos encontramos.


2 – Não creio que D. Afonso Henriques, o Rei Fundador, tenha então conscientemente pensado que o seu acto inaugural iria prolongar o País durante tanto tempo.
Mas seguramente não terá configurado que um seu sucessor tardio viria a afirmar fruste e tíbio esse acto fundador, considerando que o Estado Português estava mal fundado, que os seus alicerces eram ilusões e quimeras – e que era preciso, portanto, fundá-lo de novo.
Quer dizer, refundá-lo.
Podíamos bastar-nos com uma simples Restauração, como com D. João IV e os 40 conjurados do 1º de Dezembro.
Isto é, limitarmo-nos a uma reparação, a um conserto, a uns melhoramentos … a um restauro!
Restaurar é, com efeito, pegar no mesmo e pô-lo melhor, mais apresentável.
Mas era pouco para tão vasta ambição: e a ambição é mesmo a da epopeia de fundar um outro País.
Não sei é se haverá bons soldados para tal combate.
Não vejo, na verdade, nas hostes do novo exército das Quinas, equivalentes contemporâneos de Egas Moniz, de Soeiro e Gonçalo Mendes da Maia, de Giraldo Geraldes, o Sem Pavor.
Soldados que construam um País – se País houver a construir – como um País deve ser: um território de coesão e de inclusão, onde caibam todos e todos sejam cidadãos de direito.
Um País que seja Portugal, como tão bem o caracterizou o poeta brasileiro Manuel Bandeira:
“Como foi que temperaste/Portugal, meu avozinho/Esse gosto misturado/De saudade e de carinho?/ … / Ai Portugal de Camões,/Do bom trigo e do bom vinho/Que nos deste, ai avozinho/Esse gosto misturado/ Que é saudade e que é carinho.”

3 – Os sinais que anunciam os novos amanhãs não são prometedores.
Não são só os bons soldados que não se vêem no horizonte.
Falta também quem cante a epopeia.
Um exemplo de um desses aedos da nova Cruzada: vem lavrando nas redes sociais um incêndio crescente de revolta e de desprezo, ateado por um deputado da maioria, Carlos Peixoto – é justo pôr-lhe o nome! -, que, do alto das suas funções de Pai da Pátria, achou apropriado, numa crónica publicada no ionline, que colocou no facebook e que fez publicar no jornal lá da terra, proclamar que a nossa Pátria tinha sido contaminada pela “peste grisalha”.
(“Peste”, certamente para se aproximar do espírito dos tempos iniciais, em que a peste dizimava reis e vassalos – embora nos tempos medievais a peste matasse as pessoas e para o nosso deputado a peste “sejam” as pessoas.)
Trata-se de um jovem deputado, que tem feito o seu percurso profissional e político entre fundações municipais e a Assembleia da República e que intuiu que o ar do tempo está de feição para proclamações fracturantes, de eugenia das gerações mais velhas, dos “avozinhos” de Manuel Bandeira – que são, segundo a propaganda oficial, um peso para o orçamento e um ónus para as novas gerações, com os seus “direitos adquiridos”.
Crónica, ademais, escrita em mau português, a fazer-nos recear que a refundação do País, com tais obreiros, venha a ser acompanhada também da refundação da língua.
(E podem fazê-lo.
Na verdade, segundo a versão vigente, o poder de legislar não deve conhecer limites, nada estando vedado à vertigem refundadora.
Já assim sucedeu com o incompetente Acordo Ortográfico, que nos quer obrigar a escrever à brasileira.
E, como o ministro Miguel Relvas prefere a inovadora forma “ouvisto” - “visto e ouvisto” - para o particípio passado do verbo ouvir, que nós estávamos habituados a formular pela forma, talvez grisalha, de “ouvido” – “visto e ouvido” -, ainda se lembram de fazer uma lei a mudar as regras da flexão verbal – já que a gramática constitui certamente uma obsolescência desse mundo antigo a exterminar!)

4 – Carlos Peixoto – é nome a reter, já que percorre caminhos de futuro.
Há-de chegar longe.
Ainda pensei se assim o devia apresentar, nominalmente, à admiração dos meus leitores.
Entendi que sim, e que ele merece a nitidez do nome na brancura da página.
Lembrei-me do O’Neill, no poema com que termino a crónica:
“Podes …, /pôr umas asas brancas, arvorar /um ar contrito, /dizer que não, que não foi contigo, /disfarçar-te de andorinha, de sobreiro ou de velhinha, /podes mudar de nome, de vila ou de cidade /- és como um percevejo num lençol.”

Henrique Rodrigues – Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2013-02-08



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...