OPINIÃO

Os Jogos e a Televisão

A cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos veio confirmar que poucas cidades no mundo podem organizar um evento desta natureza. Não se trata apenas dos custos da festa, mas só esses chegam para reduzir visivelmente o número de candidatos à sua realização.
Há certamente muitas cidades com capacidade financeira suficiente para gastar 32 milhões de euros na festa de abertura de umas olimpíadas, que terá sido quanto custou a cerimónia de Londres, mas já não se poderá dizer o mesmo, quando se fala das centenas de milhões indispensáveis à criação de todas as condições necessárias à sua realização. Não apenas de condições materiais, mas também de condições históricas, políticas, culturais e desportivas suficientes para fazerem de uma cidade, pelo espaço de alguns dias, o centro do mundo. Por isso, e embora os Jogos tenham sempre o nome de uma cidade, os governos é que assumem a responsabilidade pela sua execução.
A partir dos anos setenta do século passado, as cerimónias de abertura dos Jogos assumiram um relevo verdadeiramente extraordinário. É verdade que cada olimpíada ficará na História pelos recordes, mais ou menos extraordinários, que forem batidos durante as provas, nomeadamente de atletismo e de natação, mas o esplendor da cerimónia de abertura ficará para sempre na memória de milhões de pessoas. A cerimónia de abertura é pois a primeira grande competição dos Jogos. A rivalidade entre cidades organizadoras começa precisamente aí, embora se possa dizer que já não há muito espaço de manobra para se fazer mais do que já foi feito. Quer do ponto de vista da tecnologia, quer do ponto de vista da criatividade.
Os responsáveis pelos Jogos de Londres fizeram questão de promover, na cerimónia de abertura, a identidade histórica do seu país. É discutível se este cunho nacionalista terá sido o mais adequado ao carácter universalista de uma celebração olímpica. Muita gente poderá pensar que a cerimónia serviu, sobretudo, para exaltar o sentimento de superioridade de que os britânicos são acusados muitas vezes.
É também discutível se a história foi correcta e se foi bem construída, mas ninguém poderá pôr em causa o seu mérito televisivo. Afinal, nos tempos actuais, os Jogos fazem-se para a Televisão…


António José da Silva

 

Data de introdução: 2012-08-14



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...