OPINIÃO

FRÁGEIS

Uma visita semântica e concetual ao vastíssimo leque de palavras que, em cada tempo e lugar, servem de barómetro sociológico de um povo, remete-nos para a palavra “frágeis” aplicada a quem, no dizer do dicionário, se sente pouco resistente, quebradiço, com tendência para se submeter facilmente à vontade dos outros, fraqueza, instabilidade!
Tempos houve ( e não muito distantes) em que se falava da exclusão, da vulnerabilidade social, palavras escolhidas para referenciar pessoas que deveriam merecer uma atenção especial da comunidade. Pois bem: os “frágeis” representam uma nova categoria social a que urge prestar a maior atenção, sob pena de nos começarmos a ter de habituar no
nosso convívio social a pessoas que têm mais medo de viver do que de morrer, tamanha é a sua desilusão e incapacidade de resistir, que poderá levá-las a desistir!
É imperativo ético da comunidade nacional, no seu todo, lançar muitas bóias de salvação a quem se vá sentindo em risco de naufragar, servir de amortecedor a muitos embates violentos de desumanidades e injustiças de que vão sendo condenadas pessoas sem culpa formada! Se tiver de ser, fala-se na necessidade “ajustamentos”, mas sem esquecer que, nesta palavra tão na moda, está entroncado um conceito que a determina, a saber: “jus” = direito!
Quando se abre mão dos direitos, em face dos mais poderosos, a sociedade fica em alicerces e não há democracia que resista! A acontecer, não será pelo ruído das muitas manifestações, mas pelo silêncio ensurdecedor das multidões de frágeis!

Pe, José Maia

 

Data de introdução: 2012-07-09




















A ver igualmente:

editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...