OPINIÃO

Falar ou não falar?

Não é uma surpresa, mas ultrapassa o que se poderia esperar, mesmo de um homem como Hugo Chavez, o presidente venezuelano. Troglodita e indigno foram dois dos adjectivos com que este mimou, há dias, o cardeal arcebispo de Caracas, D. Jorge Urosa. Foi em directo, num dos programas televisivos que Chavez utiliza, pelo menos semanalmente, para guiar o seu povo no caminho do “socialismo do século XXI”, como ele classifica, repetidamente, o sistema ideológico subjacente à sua conhecida praxis política.

Fazendo-se eco do sentimento geral da igreja venezuelana e de uma enorme franja da população do país, o cardeal vinha alertando para o carácter cada vez mais filocomunista desse caminho e dessa prática, mas, surpreendentemente, Chavez não gostou, ameaçando mesmo recorrer à justiça para provar a má fé do bispo. O presidente não suporta críticas, mesmo que estas traduzam, como é o caso, uma realidade que ele faz questão de exibir orgulhosamente. A sua colaboração total como regime de Cuba, o apoio económico e político aos movimentos marxistas da América Latina, o culto do ódio aos Estados Unidos e as tentativas continuadas do controlo da Comunicação Social justificam plenamente as interpretações da maioria dos analistas internacionais. O sistema venezuelano já não é mais do que um modelo comunista travestido de socialismo, mas um “socialismo do século XXI”, como ensina o grande mestre, embora ninguém saiba ainda o que isso é.

O mais grave da situação é que Chavez aproveitou o diferendo com o cardeal para estender as ameaças a toda a Igreja da Venezuela, a começar logo por aquilo que ele classifica como necessidade urgente de uma revisão da Concordata, para acabar com os privilégios de que, segundo ele, esta usufrui. Mas a História dá conta dos verdadeiros objectivos que se escondem, geralmente, sob esta expressão.

Em casos como este, ou semelhantes a este, as opiniões dividem-se quanto ao comportamento público da Igreja. Há os que entendem, e são hoje a maior parte, que esta não se pode refugiar num silêncio prudente, mas que muitos consideram cobarde. Por outro lado, não faltará quem pense que o cardeal D. Jorge Urosa falou demais e que, por sua causa, a Igreja da Venezuela pode vir a sofrer consequências desagradáveis.
Trata-se de um velho problema para a Igreja: intervir ou não intervir nas questões sociopolíticas? E no caso afirmativo, como e quando? Eis uma questão que nunca terá consenso.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2010-08-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...