EDITORIAL

Organizações da Pastoral Social

1. Aquando da sua visita a Portugal, dirigindo-se a mais de 7.000 pessoas das muitas organizações da Pastoral Social, no encontro de Fátima do dia 13 de Maio, e insistindo na necessidade de uma nova e grandiosa dinâmica que conduza para a civilização do amor, o Santo Padre recomendou “que as instituições da Igreja, unidas a todas as organizações não eclesiais, melhorem as suas capacidades de conhecimento” e que “seja clara a sua orientação de modo a assumirem uma identidade bem patente: na inspiração dos seus objectivos, na escolha dos seus recursos humanos, nos métodos de actuação, na qualidade dos seus serviços, na gestão séria e eficaz dos meios. A firmeza da identidade das instituições é um serviço real, com grandes vantagens para os que dele beneficiam. Passo fundamental, além da identidade e unido a ela, é conceder à actividade caritativa cristã autonomia e independência da política e das ideologias, ainda que em cooperação com organismos do Estado para atingir fins comuns”.

E acrescentou: “As vossas actividades assistenciais, educativas ou caritativas sejam completadas com projectos de liberdade que promovam o ser humano, na busca da fraternidade universal. Aqui se situa o urgente empenhamento dos cristãos na defesa dos direitos humanos, preocupados com a totalidade da pessoa humana nas suas diversas dimensões”.

2. Individual e comunitariamente, por compaixão ou por imperativos de fé, como expressão cultual e evangelizadora, o serviço da caridade, o serviço mútuo e, particularmente, o serviço aos mais carenciados vem sendo claramente assumido na Igreja. No interno e para o mundo.
É todo um conjunto de rostos unidos na prática da misericórdia voltada para as crianças e as pessoas com deficiência, para os desamparados, os desempregados, os doentes, os idosos, os migrantes, os pobres, os presos, os sós e os sujeitos a carências que lhes perturbam a dignidade de pessoas livres. Vão ao encontro dos outros, fazem coisas belas e tornam as suas vidas lugares de beleza. São profetas da justiça e da concórdia, defensores dos direitos inalienáveis da pessoa.

São incontáveis as acções individuais e são muitas as acções comunitárias. Eclesiais e vida numa Igreja continuamente chamada a “ver com o coração”. É um serviço a Cristo na humanidade num contínuo processo de desenvolvimento integral.
Sempre serviço da Igreja que faz do homem o seu caminho e cujo estilo é “um coração que vê onde há necessidade de amor e actua em consequência”. Essa é uma das suas belas expressões, que tão bom sinal de si dá ao mundo e que o mundo tanto aprecia.
Alguns desses serviços vão sendo institucionalizados, sem deixarem de ser serviços da caridade ao lado de muitos outros e sem concorrerem com eles. Não se dispensam mutuamente e tanto uns como outros ajudam a ver a Igreja como “a estalagem”, da parábola do Bom Samaritano, onde “o óleo da consolação e o vinho da esperança” “é derramado sobre as feridas dos homens”, como belamente a apresentou Bento XVI no referido encontro.

Os serviços que se institucionalizam podem ter a forma de associações de inspiração cristã, centros de bem-estar social, centros sociais paroquiais, cruzadas de bem-fazer, fundações canonicamente erectas, irmandades e misericórdias. Coexistem com Comissões de Justiça e Paz, Conferências Vicentinas, Grupos Cáritas, de Caridade ou Sociocaritativos e muitos outros.
Se nem em todas as comunidades se justificam serviços institucionalizados (e nem sempre se justificam) não há verdadeiras comunidades sem serviços de caridade e sem que permanentemente elas próprias sejam mobilizadas para a vivência e para o anúncio da Caridade.

3. A institucionalização de serviços da caridade pode ser determinada pelas características de alguns serviços ou pela cooperação com o Estado. Essa é uma opção que implica obrigações e tem limites, muitas vezes incompatíveis com um serviço de todos, a todos e para todos.
Nessa escolha, preferencialmente, o espaço é de leigos formados e provavelmente instituídos no ministério da Caridade.
Na institucionalização dos serviços, importa garantir, atempadamente, sustentabilidade e estabilidade e que o serviço seja avocado como da comunidade e para a comunidade: não há futuro para uma comunidade quando um serviço institucionalizado não está ao serviço da comunidade ou quando esgota todas as energias da comunidade …

Bem preparado e bem participado, o encontro com as organizações da Pastoral Social, para ser bem sucedido, deve ser bem escutado e bem continuado o discurso de Bento XVI.

Lino Maia, Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2010-06-08



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...