OPINIÃO

O Papa que gosta de doces de ovos e vinho do Porto

Pela primeira vez na sua longa história, a invicta cidade do Porto vai ser altar de uma missa celebrada pelo Papa. Vai ser a 14 de Maio, nos Aliados. Não é a primeira vez que o Papa vem ao Porto. Isso aconteceu há 28 anos, a 15 de Maio de 1982. João Paulo II, que nessa altura visitou Portugal para agradecer à Virgem de Fátima o facto de o ter salvo da morte, no atentado que sofrera, na Praça de S. Pedro, a 13 de Maio de 1981, quis prestar homenagem ao trabalho e, acertadamente, escolheu para o efeito a cidade do Porto. Foi um momento importante, também nos Aliados e com uma notável enchente. Mas proferiu um discurso, já que a Missa desse dia estava marcada para o Santuário do Sameiro, em Braga.

A primeira missa de um Papa no Porto será esta, celebrada por Bento XVI, no próximo dia 14. Um momento histórico para a cidade, para a diocese e para a região.
Mas esta não é a primeira vez que Joseph Ratzinger visita a cidade ou celebra missa no Porto. Entre 2 e 6 de Março de 2001, o então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, esteve no Porto e em Braga.
O cardeal Ratziger foi convidado a participar num congresso teológico na Faculdade de Teologia do pólo portuense da Universidade Católica.

O director da faculdade era o professor António Marto. Na sua formação em Roma, o professor Marto, tinha sido aluno do cardeal alemão e, por isso, resolveu convidá-lo a participar no congresso. Ratzinger disse-lhe que sim que estaria com todo o gosto.
Entretanto, o professor António Marto foi nomeado bispo auxiliar de Braga, pelo que, nessa visita, convidou o cardeal da Fé a visitar a arquidiocese bracarense.
Nesses quatro dias que esteve no Norte, Joseph Ratzinger falou aos alunos da faculdade, visitou a região, informou-se sobre a História de Portugal e das cidades do Porto e Braga, encontrou-se com o clero e apreciou a gastronomia local.

Assegura quem com ele convive que, em termos gastronómicos, o actual Papa é um homem de gosto simples, parco em termos de quantidade, mas apreciador de algumas iguarias. E do que mais gostou Ratzinger nessa sua passagem, há nove anos, pelo Norte? Dos doces de ovos e de vinho do Porto.
Sublinhe-se que, às refeições, Bento XVI (desde há mais de 40 anos) bebe sempre água. Mas o vinho do Porto é especial. Não é por acaso que, no dia em que completou 83 anos, as crianças de Gaia, que lhe cantaram os parabéns, ofereceram ao Santo Padre uma garrafa de vinho do Porto (um vintage de 1927).
Passados nove anos, D. António Marto, agora bispo de Leiria – Fátima, vai ser anfitrião, a 12 e 13 de Maio, de Joseph Ratzinger, desde há cinco anos Papa Bento XVI. No dia 14, o Papa vai celebrar Missa no Porto. E no final, nos Paços do Concelho, transformados em sacristia da imensa catedral dos Aliados, brindará com vinho do Porto. À nossa.

Por Secundino Cunha (jornalista do "Correio da Manhã")

 

Data de introdução: 2010-05-06



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...