EDITORIAL

Clientes ou Utentes?

1. Há direitos sociais que interessa salvaguardar, há uma perspectiva de vida que interessa promover, há um futuro que interessa projectar.
A comunidade reconheceu a necessidade de criar e disponibilizar serviços e movimentou-se. No exercício de cidadania, por solidariedade ou por caridade, criou Instituições de Solidariedade.
Com recursos cativados e com preocupações e obrigações sociais, o Estado reconheceu a utilidade pública dessas Instituições com as quais celebrou acordos de cooperação para que fossem disponibilizados serviços que garantissem a salvaguarda dos direitos sociais, a promoção de uma perspectiva desenvolvimentista e comunitária da vida e a equação de um futuro risonho e progressivo para os cidadãos.
Os dirigentes das Instituições abriram as suas portas para disponibilizar os serviços acordados, sem olhar a proveniências, a credos ou a ideologias. A todos os cidadãos, apenas acautelando uma especial solicitude e uma opção preferencial pelos mais carenciados.

No seu conjunto, entre crianças, jovens, adultos, idosos e pessoas com deficiências, as muitas Instituições de Solidariedade atendem mais de meio milhão de pessoas. Muitas delas nem sequer solicitaram a sua frequência na Instituição. Mas todas sentem que há espaços e condições para o exercício de direitos sociais e que a sua proporcionada contribuição é mais um contributo para a justiça solidária.
Assim se estabeleceu e desenvolveu um dinâmico Sector Solidário.
Para utentes ou clientes?


2. Poucos são os frequentadores das Instituições a suportar a totalidade dos custos pela utilização da Instituição. E quase todos, durante ou depois da frequência, vêem a Instituição como o seu “ambiente de afecto” de onde contemplam um “mundo de sonhos e realizações” que ajudaram a concretizar e a construir, ou vêem a Instituição como “o seu espaço” de encontro com as multifacetadas expressões da vida ou como “o seu berço”, “a sua casa” e “o espaço” em que cresceram, modelaram as suas personalidades ou se fizeram construtores do seu futuro.

A alegria, a harmonia, a qualidade de vida, a serenidade, o crescimento integral e a integração social, entre outros, são os grandes votos dos dirigentes e das estruturas por eles lideradas.
Porque assim é, a comunidade, que também paga impostos, cria e exulta com estas Instituições e também as apoia ajudando a erguer equipamentos, a disponibilizar voluntários e a exercer a partilha de bens com donativos que muitas vezes são como o óvulo da viúva. O lucro ansiado por uma comunidade que se envolve é a certeza antecipada de que alguns dos seus membros têm ou terão um presente e um futuro melhor. É isso que motiva a comunidade e é isso que a satisfaz.
Porque assim é, também o Estado precisa destas Instituições. Reconhece-as e apoia. Não tanto como deveria, mas compensa com o reconhecimento de que são de utilidade pública. Exactamente: de utilidade pública.

Porque assim é, nos alvores deste movimento solidário, a questão colocou-se: os que frequentam as Instituições de Solidariedade são beneficiários ou utentes? E a opção foi: utentes. Porque as Instituições são envolvimentos colectivos de que são parte integrante quantos as frequentam. Assim se consagrava a ultrapassagem de uma função assistencialista das Instituições.
Mas isso era noutros tempos. Agora os tempos são tempos da qualidade, da certificação e da satisfação dos clientes com normas e manuais vindos da Europa. Sem qualquer contestação: se “vêm da Europa” são incontestáveis, eternos e dignos de fé... Aliás, estamos na Europa e lá (onde é isso?) a questão nem se coloca: clientes.

Num esforço de conformidade, e para agarrar o comboio da modernidade, há quem esteja a adoptar hesitantemente a designação consagrada nas novas normas e nos novos manuais. Também há quem tenha sérias dúvidas se essas normas e esses manuais têm em atenção a especificidade do Sector Solidário constituído por estas Instituições.
A questão tem legitimidade e alguma pertinência: utentes ou clientes das IPSS?


3. A denominação deve corresponder à realidade. E por isso é que há variedade de designações porque há pluralidade de situações. Nem precisamos de inventar muito porque o vocabulário português é muito rico.
Por exemplo: aquelas pessoas que seguem ou que praticam as regras da sua religião são conhecidas como praticantes, o que as distingue dos “não praticantes” que, professando a mesma religião, são menos fiéis às regras ou dos agnósticos que não têm qualquer opção crente. Os partidários activos de uma doutrina ou de um ideal são conhecidos como militantes, o que os situa num determinado enquadramento e os distingue dos meros simpatizantes ou dos indiferentes.

Também há beneficiários, cooperantes, fundadores, irmãos, sócios, utentes, utilizadores… E clientes!
As denominações vão-se estabelecendo, consolidando o léxico, demarcando interpretações e fazendo história. A mudança de denominação não pode ser resultante de uma qualquer directiva europeia, por muita fé que ela nos mereça. Para mais quando estão em causa certas especificidades locais: também aqui deverá haver respeito pela subsidiariedade.
Clientes são todos aqueles que recorrem aos serviços de outra pessoa ou entidade, mediante uma retribuição. Cessa a relação na satisfação do prestador e do solicitador. Por exemplo: o Estado é cliente do Sector Solidário quando com ele contratualiza a prestação de serviços aos cidadãos. E o Sector Solidário, que também é cliente de outros sectores, ainda pode ter mais clientes com os quais bom seria que estivesse sempre satisfeito. Aliás, no Sector Solidário coexistem beneficiários (de uma prestação alheia), cooperantes, fundadores e por aí além…

Mas é um Sector com uma especificidade própria, com o qual o Sector Público contratualizou a prestação de serviços sociais e cívicos, com vocação universalista e proporcionada. Claro que há sérias preocupações na qualidade e na satisfação em favor e por causa dos direitos dos cidadãos.
Clientes ou utentes?
Pois claro: Utentes!

Pe. Lino Maia, Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2010-04-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...