OPINIÃO

As potencialidades e realidade

Há poucos dias, teve lugar, em Itália, mais um congresso subordinado ao tema “África de pé”. Políticos, jornalistas e missionários participaram nos trabalhos deste encontro internacional que já vai na oitava edição.
Uma conhecida e prestigiada revista missionária portuguesa deu relevo a mais esta jornada dedicada ao continente africano. Por ela, ficámos a saber que, ao contrário do que geralmente acontece quando se fala de África, o congresso optou por uma abordagem positiva na análise da realidade africana, como se depreende do seu próprio lema, “Africa de pé”. “É um grosseiro erro histórico, cultural e civil, considerar que a África é o continente das necessidades”, como acontece na maioria das imagens veiculadas para a opinião pública internacional. “A África é um país de pé e não da miséria”, defenderam, não sabemos se com toda a convicção, os participantes no encontro.

Proposta significativa apresentada ao congresso foi a que dizia respeito à atribuição às mulheres africanas do Prémio Nobel da Paz, em 2010. A distinção “atestaria o reconhecimento do protagonismo das mulheres africanas, e valorizaria o papel, tão significativo quanto esquecido, do protagonismo das mulheres em geral, mas, sobretudo das mulheres africanas na sociedade.”

Em África, a presença das mulheres na vida política é praticamente nula, se exceptuarmos o nome de Helen Sirlreaf, eleita para a presidência da Libéria em 2005. Já no que toca ao Nobel da Paz, o continente está representado com a queniana Maathai, que recebeu o Prémio em 2004.. Desde que a atribuição do galardão deixou de ter como motivação, única ou primária, os esforços realizados e conseguidos na resolução de conflitos, nacionais ou internacionais, então parece totalmente justificada a proposta saída do congresso “África de pé”. As mulheres, em geral e, sobretudo, as mulheres africanas, bem merecem essa distinção. Seria uma homenagem justificada ao espírito de sacrifício, de trabalho e de coragem que elas manifestam todos os dias. Se a proposta tivesse eco em Estocolmo seria, por certo, uma notícia extremamente positiva para a imagem de uma África que se quer de pé.

Mas este lema só se justificará plenamente, quando deixarmos de ler, repetidamente, títulos como este e que a própria revista colocou na mesma página: “Africanos fogem para a Ásia pelo mar”. Enquanto os africanos tiverem de fugir para sobreviver, seja para a Europa ou para a Ásia, a África não estará de pé
Por enquanto, o que se poderá dizer de África é que se trata de uma terra de enormes potencialidades, mas a realidade ainda justifica a imagem tradicional que a define como terra de necessidades. As suas potencialidades estão ainda longe de um aproveitamento suficiente. E não é só por culpa do colonialismo…


Por António José da Silva

 

Data de introdução: 2009-12-11



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...