OPINIÃO

Pai Natal no Verão

Bem diz o povo que “isto já não é o que era” !
Então, não é que, entre outras muitas coisas, até o pai Natal nos apareceu fora de época, em pleno Verão, de sacola aos ombros, a oferecer promessas eleitorais para todos os gostos?

Muitos políticos da nossa praça terão mesmo consciência do que andam a prometer em campanhas eleitorais?
Como é que, por exemplo, com um Estado falido e endividado, muitos os políticos teimam em continuar a comprometê-lo com compromissos que sabem que ele não pode assumir?

O conceito de um ESTADO SOCIAL, que nestas eleições vai ser um troféu de campanha eleitoral, não pode ser desvirtuado e usado como “isca” com marca de esquerda!

Seria muito mais sério falar no compromisso que quem se candidata a governar o País se propõe assumir no sentido de garantir os “direitos sociais” que a Constituição de República consagra. O nome pomposo de ESTADO SOCIAL nem sempre incorpora a consciência de que o centro da cidadania são as PESSOAS e FAMÍLIAS CONCRETAS e não ESTADO.

Quando hoje muita gente insiste na necessidade de clarificar quais as funções que o ESTADO deve desempenhar e aquelas deve abandonar para que sejam os próprios cidadãos, em nome de uma CIDADANIA PARTICIPATIVA, a organizar-se para, nas suas próprias COMUNIDADES encontram as soluções mais adequadas para ganhar honestamente o seu pão, garantir padrões de bem-estar social para si, para as suas famílias e para as suas comunidades…convém tomar consciência de que este debate é da maior oportunidade e urgência!

Um Estado que deve dinheiro a toda a gente, que é exigente no pagamento dos impostos dos cidadãos e se esquece de pagar a tempo e horas a Empresas e Instituições que, por via desses atrasos, passam meses de angústia para assumir compromissos junto dos seus trabalhadores para lhes garantir o emprego…não tem autoridade moral para se proclamar como um ESTADO SOCIAL.

Felizmente parece haver indícios de que o bom povo nas próximas eleições irá mostrar aos vários “candidatos a eleições” (legislativas e autárquicas) que os seus “discursos à Pai Natal” passaram de moda. É de prever um resultado eleitoral que obrigará a chamada “classe política” a trabalhar mais e melhor, terá de se entender entre si, através de acordos parlamentares, e de se habituar a ser muito mais escrutinada pela opinião pública que começa a abrir mais os olhos e a não querer passar cheques em branco para que maiorias absolutas levem o País para onde ele não quer ir!

Padre José Maia

 

Data de introdução: 2009-08-10



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...