OPINIÃO

A qualidade, a inovação e o empreendedorismo social

O sector de economia social ou terceiro sector está finalmente a despertar elevado interesse ao governo, aos actores políticos, aos sectores empresariais e à sociedade em geral, obviamente com motivações diferentes. O sector de economia social representa 5% do PIB português e tem um enorme potencial de crescimento devido ao aumento da esperança de vida dos cidadãos e também ao desenvolvimento através do alargamento da sua actividade para dar resposta a novas necessidades, por exemplo, aos cuidados continuados. De notar, que este espaço tem estado quase exclusivamente ocupado pelas instituições ligadas à Igreja Católica (Centros Sociais Paroquiais e Misericórdias) que, através de protocolos de subsidiaridade com o Estado, lutam por uma maior coesão social, redução das desigualdades e da pobreza, abrangendo as populações mais frágeis da sociedade portuguesa, procurando com a sua acção minorar o sofrimento de muitos e melhorar os níveis de educação básica da infância e juventude.

A nível da União Europeia este tema está também na ordem do dia com a marcação dum seminário para o dia 22 de Outubro, em Bruxelas, cujo tema é “Getting to the end of the tunnel: creating the right environment for the social economy” (atingir o fundo do túnel, criar o ambiente adequado para o desenvolvimento da economia social). Trata-se de uma iniciativa conjunta do Comité Económico e Social Europeu e do Parlamento Europeu.
Em Portugal, tem-se assistido recentemente a repetidos eventos organizados em parceria com a Segurança Social chamando a atenção das instituições para a necessidade de aumentar o empreendedorismo e a inovação social. No passado dia 9 de Julho realizou-se no Centro Cultural de Belém um seminário, sobre o tema da “Inovação e empreendedorismo social”, em que intervieram personalidades de vários quadrantes, desde os responsáveis pela Segurança Social de Portugal e do Brasil, como também de várias personalidades ligadas a universidades e ainda a apresentação de alguns casos de sucesso no nosso país, o caso da Amadora. O programa do seminário incluía vários painéis de debate sobre “As redes sociais e a inovação, os desafios da qualidade nas organizações sociais, o Empreenderismo Social e Gestão das Organizações num contexto de mudança.

Foram salientadas as insuficiências, problemas, dificuldades, diferentes modelos de financiamento e de gestão, as questões ligadas ao voluntariado e profissionalismo dos dirigentes, tendo sido referidas algumas orientações quanto ao rumo a seguir, mas essencialmente falou-se em QUALIDADE, realçando-se a dimensão da melhoria da qualidade na prestação de serviços e da gestão dos equipamentos como o único caminho que pode levar à eficiência do serviço e à satisfação dos utentes.
Aproveito este espaço para partilhar com os eventuais interessados, alguns aspectos que foram referidos no que respeita à questão da qualidade e inovação social:
- Qualidade é um problema mais vasto do que apenas ser centrado no cliente.
- Aumento da concorrência (exigindo melhor gestão e transparência).
- Aumento dos níveis de exigência da sociedade (a sociedade é solicitada a contribuir e quer melhores contrapartidas e melhor afectação dos recursos).
- Permeabilidade entre sectores: público / solidário / empresarial
Clique na imagem para a visualizar ampliada

Sugiro uma visita ao site: www.scml.pt/511anos/seminario_ies/

Foram também referidos alguns desafios que se colocam actualmente às organizações:
a) elaborar, explicitar e comunicar a todas as partes interessadas a missão, os valores e os princípios pelos quais se orientam as instituições
- criar maior envolvimento e compromisso internos.
- prevenir os desvios da missão.
- informar a comunidade do que pode esperar da sua actuação

b) gestão para além do dia a dia
- a qualidade exige gestão integrada (planear, implementar, avaliar, ajustar)
- as dificuldades versus o imperativo da gestão estratégica a médio e longo prazo

c) ultrapassar as limitações da gestão e de liderança
- elevar as competências técnicas
-aliar as competências técnicas à compreensão, princípios e valores da economia social

d) o imperativo da eficiência do serviço
- criar uma cultura de partilha, de responsabilidade e de excelência. Fazer bem.
- mudar a cultura do conformismo
- intensificar a formação profissional de todos os recursos humanos

e) prestação de contas à sociedade
Foi recentemente anunciado pelo governo a possibilidade de jovens licenciados serem disponibilizados para as instituições para ajudarem na gestão dos equipamentos. É uma excelente ideia, já falamos nessa necessidade desde há quatro anos. Desejo que efectivamente se concretize e que as instituições estejam verdadeiramente receptivas a esta oportunidade.

José Leirião

 

Data de introdução: 2009-08-10



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...