EDITORIAL

Apontamentos sobre a adopção

1. A adopção é tema de grande actualidade e emerge quando se disserta sobre quem pode e quer adoptar ou sempre que se fala de crianças e jovens em risco, sem retaguarda familiar ou institucionalizados.
À semelhança da filiação natural, mas independentemente dos laços de sangue, a adopção é o vínculo que se estabelece legalmente entre duas pessoas. Existem dois tipos de adopção: adopção plena e adopção restrita. No primeiro caso, o adoptado adquire a situação de filho do adoptante, integrando-se na sua família, extinguindo-se consequentemente as relações familiares entre a criança e os seus ascendentes e colaterais naturais. Não é revogável, nem mesmo por acordo das partes. Os direitos sucessórios dos adoptados são os mesmos dos descendentes naturais. No segundo caso, o da adopção restrita, o adoptado conserva todos os direitos e deveres em relação à família natural, salvas algumas restrições estabelecidas na lei. Pode ser revogada se os pais adoptivos não cumprirem os seus deveres e pode ser convertida em adopção plena mediante requerimento do adoptante e desde que se verifiquem as condições exigidas.

As crianças ou jovens institucionalizados vivem em lares e, presentemente, são cerca de onze mil, a maioria dos quais adolescentes a partir dos 12 anos. Desses, apenas 11 por cento têm como projecto de vida a adopção, até porque muitos já não têm idade para ser alvo dessa medida (o limite são os 15 anos). Os lares são uma resposta cuja função, tanto quanto possível, é substituir a família de origem das crianças e jovens desprovidos dessa estrutura indispensável à sua socialização.
Para além da adopção e da institucionalização, ainda pode ser considerado o acolhimento familiar, que é uma prestação de acção social que consiste em, temporariamente, fazer acolher crianças e jovens cuja família natural não esteja em condições de desempenhar a sua função socioeducativa por famílias consideradas idóneas para a prestação desse serviço.

Recente é, também, a modalidade de apadrinhamento civil, que tem como objectivo o alargamento do conjunto das respostas que se podem constituir como projecto de vida das crianças e dos jovens que não podem beneficiar dos cuidados dos progenitores, nomeadamente os que se encontram acolhidos nas instituições e para os quais a adopção não constitui solução e que consiste numa vinculação afectiva entre padrinhos e afilhados, no sentido do seu bem-estar e desenvolvimento.

2. Muito embora não haja dados precisos sobre os números de potenciais candidatos, serão variadas as motivações por trás das muitas candidaturas para adoptar crianças ou jovens. Sempre, porém, ponderáveis e merecedoras do maior apreço e veneração. Apesar de afectivamente compensatória, a adopção é um serviço altamente meritório.
Contudo, a questão da adopção deve ser colocada, primariamente, como direito da criança ou do jovem em ter uma família e sempre com o objectivo de lhe proporcionar afectos e condições para o seu desenvolvimento integral: como nem todos os pais e mães são dignos de o serem, também nem todos os candidatos reunirão condições para serem adoptantes. Se são muitas as pessoas que bendizem o momento em que foram adoptadas e os pais adoptivos que para elas canalizaram afectos, projectos e um futuro bem mais promissor, também há casos de insucesso no processo adoptivo com dolorosos retornos, que devem fazer ponderar sobre o perfil dos adoptantes e sobre o acompanhamento e a avaliação em curso.

Concretamente e como exemplo, para adoptar uma criança na primeira infância deve ser sempre privilegiado o casal heterossexual com afectos equilibrados e com harmonia estabelecida, enquanto na segunda infância poderão ser consideradas situações como a de um jovem ser adoptado por uma só pessoa, adulta e com vida estabilizada, desde que tenha decorrido um período prévio de mútua adaptação e com a condição de ser a vontade de ambos.
Havendo seguramente momentos de dúvidas e não sendo certamente um processo fácil, muito provavelmente o sucesso na adopção depende de um jogo de equilíbrios e de afectos. Também da capacidade de serviço da verdade: a criança e o jovem têm sempre o direito de conhecer e assumir a sua história, de identificar os seus progenitores e de interiorizar as motivações na adopção.

3. Opção muitas vezes meritória, a adopção é sempre um bem de menor grau que o “colo de mãe”, o “penhor do pai” e o crescimento na família em que se foi gerado. Quando e enquanto for possível.
O Estado é julgado, também e sobretudo, pelas políticas que gera e mantém de apoio às famílias. Compete-lhe providenciar para que seja evitado algum voluntarismo excessivo que leva a encarar a adopção como via de sentido único: enquanto for possível, tudo deve ser feito para que, com normalidade, aconteça o mais desejável. E, normalmente, o desejável é que a criança (e o jovem) cresça no seio da família em que foi gerada. Nem sempre será possível, e por isso há Instituições, há apadrinhamento civil e há famílias de acolhimento. Também porque nem sempre será possível é que há instrumentos como o da adopção.
E, muito provavelmente, não será despiciendo considerar casos de uma espécie de dupla filiação: a criança (jovem) é integralmente adoptada conservando laços filiais com os pais que a geraram. É uma prática já ensaiada em algumas paragens e com apreciáveis resultados.

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2009-07-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...