Está na hora!

Por iniciativa e convocação da Direcção da CNIS vai decorrer em Fátima, no próximo dia 16 de Maio, um PLENÁRIO de IPSS, para interpelar o Governo sobre a forma como anda a “destratar” as Instituições Particulares de Solidariedade Social!

Consta por aí, à boca cheia, que as IPSS estão a ser muito maltratadas, tendo sido atirado às malvas um PACTO DE COOPERAÇÃO PARA A SOLIDARIEDADE que lhe garantia dignidade e voz, para além de apoios financeiros para as actividades protocoladas com o Estado. Que se passa, afinal?

Então isto agora é assim…e não acontece nada que se veja?
Se a Petição entregue na Assembleia da República não tiver consequências…não terá chegado a hora de dizer: BASTA…e partir para posições que obriguem o Governo a respeitar quem sempre se habituou a ser respeitado durante sucessivos governos?

Convirá ler com atenção o que está escrito, textualmente, no ponto 5 do artigo 63º da Constituição da República, a saber:

“O Estado apoia e fiscaliza, nos termos da lei, a actividade e o funcionamento das instituições particulares de solidariedade social…com vista à prossecução de objectivos de solidariedade social consignados, nomeadamente na alínea b) do nº 2 do artigo 67º (apoio à família), no artigo 69 (infância), na alínea e) do nº 1 do artigo 70º (juventude): onde expressamente está escrito: no aproveitamento dos tempos livres” e nos artigos 71º (cidadãos portadores de deficiência) e 72º (terceira idade).

Foi mesmo vontade dos constituintes exarar em sede de texto constitucional a expressa vontade de delegar nas IPSS o cumprimento do ponto 5 do artigo 63º da Constituição!
Para que não restassem dúvidas: neste ponto 5 ficou declarado que o Estado deveria delegar nestas Instituições a gestão dos direitos sociais dos destinatários referenciados nos artigos 67º, 69º, 70º, 71º e 72º, dando às IPSS o apoio=financiamento para o desenvolvimento das políticas sociais.

O actual Governo, sem dar cavaco ao povo da Solidariedade, está a fazer uma “perigosa e inconstitucional deriva” ao querer retirar às IPSS o que a Constituição lhe obriga a atribuir-lhes!

Como foi possível chegar-se ao nível de centralismo a que se chegou, dada a forma como tem sido gerido o Instituto da Segurança Social (ISS)?

Ninguém sabe para que servem os actuais Centros Distritais de Segurança Social. De facto, a palavra Solidariedade desapareceu, e bem, da sigla…ISS, pois o” S”de Solidariedade que falta acrescentar aos outros 2 SS é da competência da Sociedade Civil, mas compete ao Estado apoiar este Sociedade Civil organizada, não discriminá-la negativamente!

Num ano em que se completam 25 anos (Bodas de Prata) do Decreto-Lei 119/83, lei que serve de base à organização e funcionamento destas Instituições, a forma como o Governo está a lidar com 160 mil assinaturas entregues na Assembleia da República, na forma de uma Petição, significa uma “prenda amarga” que justifica uma sublevação de mais de 1 milhão de pessoas que, directa ou indirectamente, estão a ser abrangidas por alguns tiques de autoritarismo que julgávamos enterrados com a revolução dos cravos.

Está na Hora! Agora ou Nunca!

 

Data de introdução: 2008-05-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...