Já valeu a pena

A CNIS entregou na Assembleia da República a Petição Nacional para que a crise do ATL seja discutida na casa da democracia. Foram mais de 160 mil portugueses que assumiram que concordavam com os pontos de vista da Confederação e colocaram o nome e o número do bilhete de identidade numa folha onde se explicava a pretensão de, entre outros aspectos, ver consignado o direito e a liberdade de escolha para as famílias das crianças que frequentam ATL nas IPSS.

E agora? Há uma comissão parlamentar competente que verifica a autenticidade da causa e da forma. É nomeado um deputado relator que fica incumbido de elaborar um relatório, propondo as diligências necessárias. Depois de admitida, a petição deve ser apreciada no prazo máximo de 60 dias, é elaborado um relatório final que será entregue ao Presidente da Assembleia da República com as recomendações julgadas adequadas. Se a petição tiver mais do que 4 mil assinaturas – esta tem mais de 160 mil - e o relatório for favorável, tendo em conta, designadamente, a sua importância social, económica ou cultural, será levada a plenário do Parlamento por proposta do presidente da Assembleia da República, havendo para isso um prazo de 30 dias para agendamento.

Vamos admitir, e o caso do ATL não é para menos, que a Petição da CNIS vai a plenário daqui a três meses. O que vai acontecer é que o grupo parlamentar do Partido Socialista, que suporta o governo onde está a Ministra da Educação, com maioria na Assembleia da República, vai obedecer à disciplina de voto em vez de reagir à consciência individual. Apesar de muitos deputados do PS manifestarem, em surdina, solidariedade com as causas dos peticionários. Apesar dos partidos da oposição votarem a favor.
A Petição vai ser chumbada e fica tudo como está.
Ainda que seja esse o destino da evidente inconformidade manifestada por 160 mil portugueses, já valeu a pena.

A Petição foi primeiramente um desafio dos dirigentes da CNIS que intuíam o sentimento de injustiça de muitos responsáveis, funcionários, famílias e utentes de IPSS; foi, em seguida, decisão rápida e acção de risco, com apenas um mês para recolha de assinaturas; cresceu para um movimento de mobilização por uma causa constituindo prova de vitalidade e representatividade da própria Confederação; o resultado simboliza a união e a força silenciosa de que a CNIS é depositária; e, por último, é agora esperança. Esperança de que, apesar dos condicionamentos democráticos, o governo interprete o sinal e recue na teimosia de impor uma solução que não agrada a quem a vive no dia-a-dia.

 

Data de introdução: 2008-03-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...