1 - O Ministério da Educação tem a sua sede na Avenida 5 de Outubro, em Lisboa.
Trata-se de uma localização de alto valor simbólico – o 5 de Outubro comemora a implantação da República, em 1910, e esta teve como uma das suas principais bandeiras a Educação (ou, como então se dizia, a Instrução Pública), generalizada e gratuita.

Numa altura em que tantas forças e entidades, discretas ou abertas, preparam a comemoração do centenário da República, trago também eu aqui ao Solidariedade a minha contribuição, com algumas reflexões quanto ao estado da Educação, e do Ministério que dela (des)cuida, em Portugal.
Para começar por dizer que aquele intuito republicano da Instrução Pública para todos, que a nós nos parece adequado e justo, se afigura uma noção completamente absurda para a cultura do “eduquês” que desde há várias décadas tomou conta do referido Ministério.

Na verdade, a tónica na instrução, isto é, na aquisição de conhecimentos, que, para os revolucionários de 1910, constituía o modo de assegurar a igualdade de oportunidades para todos, foi substituída pelo centramento no chamado processo de aprendizagem, menos preocupado com os conteúdos científicos e mais com a envolvente externa do meio escolar.
Onde a instrução exigia competência científica, estudo e disciplina na sala de aula, o “eduquês” contrapõe a prioridade dos métodos relativamente às matérias, a prevalência do prazer sobre as regras e o dever, a ausência de reprovações e o sucesso educativo para todos, saibam ou não saibam.
É esta tensão entre uma cultura de exigência e uma tentação de “balda”que marcará o debate público sobre a escola nos próximos anos – sendo claro que do lado daquela se encontra a sociedade e do lado desta o Ministério.

Confesso que no início do mandato acreditei que a actual titular da pasta representava uma saudável insídia do mundo real no corpo obeso do Ministério da Educação e nos seus vícios de ultra-romantismo tardio.
A sua identificação certeira de algumas das pechas do sistema e a aparente determinação com que parecia disposta a combatê-las de forma frontal prenunciava uma alteração saudável na relação de forças daquela tensão a que me referi.

Repetiu-se, no entanto, o que já tantas vezes sucedera, no que a linguagem das organizações chama o princípio da adaptação ao meio – o Ministério mimetizou-a.
O último episódio deste embate entre o bom senso e o Bom Selvagem é o do celebrado artº 22º do novo Estatuto do Aluno, que os deputados da maioria, em óbvia concertação com o Governo – nem Sócrates admitiria doutro modo -, pretendiam fazer aprovar de modo a que “aluno que falte às aulas/é como se lá estivesse”.

Em resumo, do que se trata é de a lei que o Governo pretendia fazer aprovar permitir a passagem de ano mesmo àqueles alunos que devessem chumbar por faltas, ainda que injustificadas, desde que fizesse a meio um exame que ninguém percebeu muito bem como seria – mas que todos percebemos que seria como aqueles que são feitos para ter resultado positivo, nem que seja à força.
A imprensa, os comentadores, a sociedade, todos acharam a pretensão um disparate, e mais um passo no sentido errado.
Suspeita-se que por o Presidente da República, que tem mostrado uma subtil atenção aos sinais da sociedade, ter explicado por miúdo ao Governo que não promulgaria lei semelhante, este recuou na intenção, mudando-a por uma mais inócua.
Ainda bem.

2 – A questão para o Ministério é que os nossos indicadores em termos de sucesso educativo e abandono escolar precoce constituem uma vergonha para mostrar aos parceiros e sócios da Europa.
Mas a questão para os portugueses é que muitos dos que têm sucesso nas nossas escolas possuem escassas competências – como ainda agora se viu pela forma como o nosso sistema escolar público foi tratado pelas autoridades suíças.
É no reforço destas competências escolares que os responsáveis nacionais têm que investir; ao invés de trabalharem para a fotografia e para a propaganda, como tantas vezes acontece.

A TSF, que costumo ouvir, intercala os seus programas com resumos de notícias já passadas – uma espécie de genérico -, tendo como objecto a actualidade política.
Num deles, o Primeiro- Ministro, no uso da conhecida competência retórica com que costumava sair vitorioso dos debates parlamentares, e em resposta a uma crítica do lider da oposição que levava à conta de mera propaganda os sucessos proclamados pelo Governo, diz qualquer coisa assim;” Propaganda?! Propaganda?! Então assegurar que todas as crianças do ensino básico aprendam inglês é propaganda? Oh, senhor deputado!... Oh, senhor deputado!... Propaganda…?!”
Pois… Propaganda, com efeito, senhor Primeiro –Ministro.
É que justamente as crianças não aprendem inglês. Faz que aprendem.
Quem diz inglês, diz música, ou natação, ou outras das actividades extracurriculares cuja configuração centralista e jacobina constitui a última vitória daqueles abencerragens do Ministério da Educação a que me refiro mais acima.

Como evidenciou um estudo amplo efectuado sob a direcção da UDIPSS Braga no mês passado – e que replica o que vemos de forma generalizada por todo o país -, essas actividades, quando levadas a efeito por autarquias ou por empresas privadas em out-sorcing, funcionam, num preocupante número de situações, em instalações pelintras e insalubres, sem recursos humanos qualificados e em horários que perturbam e por vezes implicam modificações anti-pedagógicas nos próprios horários curriculares das escolas e no processo de ensino/aprendizagem ( creio que é este o jargão) dos alunos.
E sem fiscalizações hostis e malcriadas.
Enfim, o exacto oposto das regras de funcionamento das ATL das IPSS.
De modo que, se informam o senhor Primeiro-Ministro de que todas as crianças do ensino básico aprendem inglês de forma minimamente satisfatória, enganam-no. Ou têm medo de lhe dizer a verdade.
Ora, tenho para mim que, sendo evidentemente sincera a aposta do Governo na formação e educação das crianças e dos jovens – e, já agora, também certamente em alguma instrução -, só por ignorância do que se passa na vida real o Governo há-de ter permitido acabar com uma rede de serviços que funcionava bem e barato, e em harmoniosa articulação com as escolas, a dos ATL das instituições, para a substituir por um serviço incompleto e incompetente, sem recursos e sem meios.

3 – Também na TSF, em declarações prestadas na semana passada, a propósito da iniciativa do Procurador Geral da República de pretender privilegiar na urgência da investigação a criminalidade e delinquência em meio escolar, em particular a dirigida por alunos contra professores e funcionários, e também contra os colegas, a Ministra da Educação veio discordar abertamente do Procurador, nos termos seguintes:”Não há lugar mais seguro para as nossas crianças do que as escolas”- falava das públicas, claro!
Ora, se o Procurador entende que o panorama da delinquência nas escolas é preocupante, insistindo mesmo, como o fez, para que os professores denunciem, sem medo e mesmo que haja pressões das escolas para que o não façam, todas as agressões e outros crimes praticados pelos alunos, salientando, e bem, que a censura penal precoce e o termo da actual sensação de impunidade afastará em adultos da via do crime mais grave muitos dos actuais alunos das escolas, é porque tem informação sobre a situação real que o confirma. E também bom senso, e os pés na terra.

Claro que a intervenção do Procurador arrasa décadas das “verdades” politicamente correctas e desfigura a perfeição idílica com que a máquina do Ministério compõe o retrato das escolas – e que é o espelho do seu próprio retrato.
É ele, todavia, quem está com a razão, como bem sabemos.
A quem fala de segurança, e a acha importante, todos podemos explicar que há pelo menos um lugar em que as crianças estão mais seguras do que nas escolas.
É nos ATL das instituições particulares.
Basta fazer o levantamento de situações de violência ocorridas nas IPSS – e fazer a seguir o das ocorridas nas escolas públicas (mesmo que só os casos participados, que, como nos disse o Procurador Geral, é uma pequena parte).
Sabendo, como todos sabemos, que é na verdade assim, afirmar que a escola é o lugar mais seguro só para justificar as políticas é, com efeito, apenas propaganda.
Ou conversa para enganar meninos, para nos mantermos neste mundo infanto-juvenil.

*Presidente da Associação Ermesinde Cidade Aberta

 

Data de introdução: 2007-11-14



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...