CARTA ÀS INSTITUIÇÕES - JUNHO 2007

SENHOR (ª) PRESIDENTE

Mensalmente, a CNIS vem contactando as IPSS, suas filiadas de base. São alertas, notícias, partilhas, sugestões…

Porque neste mês de Maio, e seguindo orientações do Conselho Directivo Nacional, sancionadas por unanimidade, se concluíram as negociações com a Frente Sindical da UGT, no que se refere à revisão do CCT publicado no BTE de 8 de Julho de 2005 e à actualização das cláusulas de natureza pecuniária para o ano de 2007, é antecipada a comunicação…

ACORDO COM A FRENTE SINDICAL DA UGT

Os termos do acordo a que a CNIS chegou com essa Frente Sindical são, no essencial, com efeitos desde 1 de Janeiro de 2007, os seguintes:

-Tabela A – Aumento de 2,4%
- Tabela B – Pessoal Docente – Aumento de 2,2%
- Diuturnidades, subsídio de refeição, abono para falhas – 2,4%
(Como se vê, corresponde a um aumento médio ao nível aproximado do que foi contratado com os Sindicatos para o ano de 2006, que foi de 2,3%)
- Criação de um novo Grupo 1.4 na Tabela B, abrangendo Educadores de Infância e Professores do 1º ciclo do Ensino Básico, com licenciatura, com remunerações entre 35 e 45 euros acima, consoante os anos de serviço, da antiga Tabela B 1.4 – que passa a ser a B 1.5 –, relativa aos bacharéis.
- Aumento mínimo garantido de 12,50 euros.

A propósito dos termos do acordo obtido, e que acima se transcrevem, importa salientar os seguintes pontos:

1. Estabeleceu-se o princípio da discriminação positiva nos aumentos das remunerações em benefício da Tabela A, com o objectivo de, a prazo, ir aproximando a estrutura remuneratória dessa tabela da Tabela B, assim procurando diminuir a clivagem actualmente existente nas instituições decorrente da aplicação simultânea de duas tabelas tão diferenciadas.

2. Por outro lado, ao criar um Grupo de remunerações na Tabela B para professores e educadores de infância com licenciatura dá-se cumprimento a um compromisso assumido com os sindicatos há dois anos, quando das negociações dos CCT em vigor.
Não se resolveu essa questão durante o ano de 2006, por não se saber então se o novo Estatuto da Carreira Docente iria exigir a licenciatura ou o bacharelato para os correspondentes níveis de ensino.
Publicado esse Estatuto, e consagrada a licenciatura como requisito de ingresso, não havia razões para adiar por mais tempo o cumprimento desse compromisso.
De qualquer forma, as remunerações aí previstas são muito inferiores às que vigoram no Ensino Particular e Cooperativo e no Ensino Público, o que não sucede quanto aos bacharéis, cujas remunerações são idênticas – em muitos níveis superiores – às que são praticados no Ensino Particular e Cooperativo.

3. Continua em vigor, quer para os educadores de infância e professores do 1º ciclo do ensino básico com bacharelato quer para os licenciados, o limite da Tabela B 2 para a progressão de carreira dos educadores e professores que se não encontrem no exercício de funções docentes, isto é, que não estejam afectos ao pré-escolar ou ao ensino do 1º ciclo básico.
Dito doutro modo – os educadores e professores em serviço em creches, creches familiares, ATL, centros comunitários, CAO e outras valências que não sejam jardim de infância ou escola desenvolvem a sua carreira apenas entre os níveis 1 e 5 da Tabela B – 2.

4. Relativamente ao pré-escolar, são as novas remunerações, designadamente no caso de licenciados, que devem servir de base ao cálculo do reembolso a pedir ao Ministério da Educação.

5. Em termos práticos, o aumento mínimo de 12,50 euros vai beneficiar as categorias profissionais integradas nos Níveis XIV, XV, XVI e XVII.
Importa ter em atenção que, em virtude de o Governo ter aumentado para 403 euros o salário mínimo nacional, os Níveis XVII e XVIII da Tabela A ficam com idêntica remuneração, deixando de diferenciar, em termos remuneratórios, a diversa natureza das funções.
Este efeito de uniformização dos Níveis mais baixos de remuneração vai continuar nos próximos anos de forma ainda mais acelerada, tendo em conta o propósito do Governo – cuja justiça não se questiona – de elevar até ao fim da legislatura para 500 euros o salário mínimo.
Nessa altura, os Níveis XIV, XV, XVI, XVII e XVIII ficarão todos com a mesma remuneração.
Por essa razão a CNIS terá que promover a revisão de todo o enquadramento da Tabela A, para manter a necessária diferenciação entre as categorias.
Essa revisão da Tabela A, para manter a diferenciação entre as categorias, vai traduzir-se seguramente num aumento da massa salarial, em 2008 e anos seguintes, superior à inflação.
A CNIS procurará que o Governo acompanhe, nos valores da cooperação, esse aumento de encargos com o pessoal, já que se trata de um aumento que decorre de uma medida do próprio Governo – o aumento do salário mínimo.
O estudo dessa revisão será feito, evidentemente, com a participação das Instituições e suas Uniões Distritais.



Com os cumprimentos de respeito e amizade

Porto, 23 de Maio de 2007

O presidente da CNIS



___________________
(Lino Maia, padre)

 

Data de introdução: 2007-05-24



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...