Portugal está a perder o Norte

Tem sido insistente e recorrente a publicação de dados estatísticos e artigos de opinião subscritos por especialistas com credibilidade, alertando para a situação de alto risco social que o Norte do País pode vir a sofrer, a muito curto prazo, se nada se fizer para contrariar a tendência de abandono a que a Região Norte de Portugal tem vindo a ser votada.
Quando se fala em desemprego, o Norte aparece como campeão.
Sempre que o assunto é toxicodependência, tuberculose e sida, o Norte e especialmente o Porto, aparecem em primeiro lugar
Abandono e insucesso escolar são também tristes realidades do Norte do país.
O nível médio salarial é também no Norte o mais baixo do país.

Neste momento, não faltará já quem se interrogue: porquê tanto pessimismo?
Será que no Norte só há “coisas negativas”? Certamente que não.
Urge, no entanto, interrogarmo-nos sobre o que terá verdadeiramente acontecido no Norte para que esta tendência de perda de capital humano, económico e social se tenha agravado tanto nos últimos anos?

Não deixa de ser relevante o grito de alerta que o próprio presidente da CCDR, Dr. Carlos Lage, lançou ao país, muito recentemente, exigindo mesmo que se pense numa fórmula de regionalização que acabe de vez com o centralismo crescente que faz convergir na capital investimentos e decisões.

Curiosamente 75% dos cerca de 750 mil funcionários públicos está situado em Lisboa e no Porto, de acordo com um estudo recentemente publicado por um conceituado Departamento de Política e Estudos Internacionais de uma Universidade do Reino Unido,
Este estudo vai mais longe ao afirmar que “Portugal continua entre os países da EU onde a distribuição da riqueza é mais desigual, a ponto de o grupo social mais rico auferir seis vezes e meia mais do que os mais pobres! É muito, demasiado!
A nossa matriz de DESENVOLVIMENTO está errada e, se não for inteligente e corajosamente invertida, levar-nos-á a um País sem rumo que, para além de perder o Norte como região, descambará para o risco de um “país sem norte”, ou seja, desnorteado!
A crescente desertificação, a acumulação cada vez maior de pessoas nas periferias das grandes áreas metropolitanas, a falta de lideranças e a aposta na “partidocracia” como forma de “governança”, a desatenção ao valor da coesão social e da falta de igualdade de oportunidades devem constituir sinais de alarme para uma inflexão das grandes orientações macroeconómicas, sociais e até éticas do país!

 

Data de introdução: 2007-04-03



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...