Contra a extinção dos burros

(...) Não sei se hei-de levar para a brincadeira a sugestão dos ambientalistas de que em Portugal não são necessárias mais barragens para a produção de energia eléctrica porque basta poupar no consumo, público e privado, para termos energia que chegue. 

Tenho muito dificuldade em levar a sério esta sugestão dos ambientalistas quando nós sabemos que Portugal, apesar de ser, dizem, o país da UE com menor consumo de energia por habitante, importa mais de 70% da energia que consumimos. 

Mas já que estamos num tom de brincadeira e de boa disposição, permitam-me uma sugestão aos ambientalistas. Porque é que não substituem os seus automóveis por burros? É que, no seu quadro de valores, só haveria vantagens, se assim fizessem. 

Por um lado, deixavam de consumir gasolina, que é importada, é cara e é muito poluente. Por outro lado, impediam a extinção do burro e simultaneamente favoreciam o incremento da economia nacional, já que, desde logo, diminuíam as importações do petróleo, que é cada vez mais caro, e ao mesmo tempo ajudavam a agricultura - que até podia ser biológica -, já que seria necessário produzir, em grande quantidade, cereal e palha para os burros comerem. 
E, para rematar os benefícios, ainda aproveitavam o estrume para fertilizar biologicamente os campos e as hortas, que dariam produtos biológicos, muito mais saudáveis. 

Fico à espera para ver até onde vai a coerência dos ambientalistas e dos defensores do burro. 

Editorial da Voz do Nordeste, s/d
vnordeste@clix.pt

 

Data de introdução: 2004-10-17



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...