ADENDA AO ACORDO DE 2019

Setor social e solidário garante mais 400 camas para altas sociais

O Primeiro-Ministro António Costa afirmou que o Governo e as entidades do setor social e solidário realizaram um aditamento ao compromisso assinado em 2019 para garantir a criação de «mais 400 camas nos próximos seis meses para continuar a responder à necessidade de altas sociais».

Na cerimónia de assinatura da adenda, em Lisboa, o Primeiro-Ministro salientou que «este passo é da maior importância» e acrescentou que «desde o início da pandemia mais de 1000 pessoas já obtiveram alta social e foram realojadas para poder encontrar uma nova residência através destas instituições».

António Costa sublinhou a necessidade de o país encontrar soluções dignas de alojamento para as pessoas hospitalizadas que têm alta clínica mas que, «por falta de alternativas, por falta de um local digno de residência ou pela incapacidade de receber cuidados pós-hospitalares necessários acabam por permanecer durante muito tempo nos estabelecimentos hospitalares».

O Primeiro-Ministro referiu o reforço que está a ser levado a cabo nos serviços de saúde, com os aumentos da capacidade de resposta da Linha Saúde 24 e do número de testes por dia à Covid-19 e com a contratação de profissionais do Serviço Nacional de Saúde, aumento do número de camas e ventiladores.

A Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Sales, também estiveram presentes na cerimónia.

 

Data de introdução: 2020-11-18



















editorial

O Sector Social e Solidário em contexto de pandemia

Analisando tudo o que aconteceu e o que foi feito, a experiência destes 8 meses de pandemia leva-nos a reiterar a necessidade de definição e implementação de medidas proativas, estando disponíveis, tanto a CNIS como a Confecoop e as...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A indisfarçável ausência de planeamento na gestão da pandemia
O medo instalou-se. É indisfarçável. Os números das últimas semanas anunciam o pior e as entidades oficiais confirmam. Teme-se a rotura nos hospitais. Entretanto, perante...

opinião

JOSÉ LEIRIÃO

Os dias passam e a incerteza permanece acerca do futuro na saúde e na economia e no emprego
A informação e as diferentes medidas tomadas pelos vários países na União Europeia são diferentes e, em muitos casos, contraditórias. Isto demonstra a falta...