E DEPOIS DA CRISE COVID-19?

Se for possível e necessário as IPSS vão ter creches, infantários e ATL abertos em agosto

Sem fazer previsões nem antecipar cenários para o pós-crise Covid-19 o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, Padre Lino Maia, disse ao JN que as cerca de cinco mil IPSS estão disponíveis para ter a funcionar "em pleno", durante o mês de agosto, creches, jardins de infância e as atividades de tempos livres.
Há uma nova realidade que não deixa fazer planos a médio e longo prazo mas, diz Lino Maia, “uma coisa parece ser certa: não haverá escola nos meses de verão e os pais, já sem férias, estarão a trabalhar e é preciso que alguém cuide dos bebés e das crianças”.
Assim sendo, as IPSS preparam uma nova resposta social. "Perante a situação atípica que vivemos, este ano, o verão vai ser muito diferente", disse o padre Lino Maia. Em anos anteriores, alguns infantários abriam em agosto, mas apenas para situações excecionais. Desta vez, abrir portas a todas crianças, prestando todos os serviços, "é cada vez mais real".
Se em Agosto as pessoas puderem retomar as suas vidas normais o verão não vai ser de férias. Creches, jardins de infância e atividades de tempos livres (ATL) deverão manter-se abertas e a funcionar em pleno durante o mês em que o país costuma parar. Tudo para ajudar os pais que, neste momento e graças à atual pandemia, estão impossibilitados de trabalhar por estarem a gozar dias de férias ou por terem sido colocados em regime de layoff ou, pior do que isso, por terem perdido os respetivos empregos.
O presidente da CNIS ainda assim, cautelosamente, alerta que é preciso concentrar todos os esforços no presente: “Neste momento a nossa preocupação é a de proteger os idosos, que estão nos nossos lares, que estão apoiados no apoio domiciliário e nos centros de dia, porque são uma população mais frágil, que precisa de facto de muita atenção para que não se alastre o vírus.”
A Covid-19 e o estado de emergência obrigaram muitos pais a tirar dias de férias para ficar em casa com os filhos. Para que os pais possam ter onde deixar os filhos, Lino Maia, presidente da Confederação das Instituições de Solidariedade, assegura que as IPSS estão disponíveis para funcionar durante o verão, caso seja necessário. "Infelizmente, esta pandemia está para durar entre nós. Portanto, teremos uma estação única: a estação da pandemia. Vamos estar sempre atentos, tentando sempre estar na solução, na proteção, no apoio. Se, na altura, houver condições, penso que as instituições que têm creches abrirão no mês de agosto para que os pais possam trabalhar".
Ao JN, diversos responsáveis de IPSS confirmaram a disponibilidade para ajudar o país quando chegar a hora de regressar ao trabalho.  Ainda assim, no limite, a decisão de funcionar ou não durante agosto será sempre tomada por cada uma das quase cinco mil IPSS em Portugal.

 

Data de introdução: 2020-04-06



















editorial

O Sector Social e Solidário em contexto de pandemia

Analisando tudo o que aconteceu e o que foi feito, a experiência destes 8 meses de pandemia leva-nos a reiterar a necessidade de definição e implementação de medidas proativas, estando disponíveis, tanto a CNIS como a Confecoop e as...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A indisfarçável ausência de planeamento na gestão da pandemia
O medo instalou-se. É indisfarçável. Os números das últimas semanas anunciam o pior e as entidades oficiais confirmam. Teme-se a rotura nos hospitais. Entretanto, perante...

opinião

JOSÉ LEIRIÃO

Os dias passam e a incerteza permanece acerca do futuro na saúde e na economia e no emprego
A informação e as diferentes medidas tomadas pelos vários países na União Europeia são diferentes e, em muitos casos, contraditórias. Isto demonstra a falta...