ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong

 

Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter chegado ao fim. Trata-se de uma situação difícil que começou com a aprovação da chamada lei de extradição, uma lei que, à partida, permitiria às autoridades de Pequim controlar o sistema judicial que, vigora em Hong Kong, mesmo depois da entrega, em 1997, daquela antiga colónia britânica à soberania da República Popular da China. Esta concessão das autoridades chinesas, aquando das conversações que levaram à transferência da soberania de Hong Kong foi certamente um dos motivos que justificaram a célebre definição de “um país, dos sistemas” que, logo de seguida, também se aplicaria a Macau.

Com o regresso destes antigos territórios à sua soberania, Pequim alcançava pacificamente uma vitória política que até lhe permitia alguma transigência nas negociações de outros problemas, como por exemplo os que diziam respeito ao sistema judicial. Além do mais, essa política de aparente compreensão contentaria uma parte significativa dos seis milhões de habitantes de Hong Kong, habituados como estavam a um sistema que não tinha nada a ver com a filosofia política da República Popular da China. Entre esses problemas estava o que foi despoletado recentemente por uma nova lei que mexia com a administração da Justiça.

Não obstante a autonomia de que Hong Kong continuou a usufruir nesta matéria, a nova lei acabou por ser aprovada pelo governo da região administrativa e obrigava à transferência dos casos de Justiça para o âmbito do governo central. Teve início então, naquela cidade, um movimento de rejeição popular que conseguiu juntar em protesto multidões que ainda agora, encham ruas e praças da mais rica e famosa cidade da Ásia. Essas manifestações acabaram por levar o governo de Hong Kong a recuar no seu propósito inicial, mas não ultrapassaram esse objectivo, ao contrário do que pensariam e desejariam muitos dos seus mentores.     

A política chinesa é historicamente conhecida pela prática da paciência, característica que tudo indicava seria aplicada na gestão desta crise. Só que os cidadãos de Hong Kong também demonstraram uma capacidade reivindicativa pelo menos igual, e não deram sinais de desistir dos seus protestos contra a aplicação de uma nova lei que lhes retirava o direito à política judicial que vinha do tempo da administração britânica. E deram provas de tamanho apego a essa lei que a governadora da cidade acabou por desistir da sua aplicação. Foi uma derrota política contra a qual as autoridades de Pequim se tinham acautelado, ao conseguirem que que a nova lei fosse aprovada pelo governo daquela região administrativa especial. Apesar desta cautela, o regime sofreu uma inegável derrota política. Pelo menos para já.       

 

Data de introdução: 2019-10-11



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...