JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Todos temos a nossa cruz

“Todos temos a nossa cruz” é uma frase popular que a todos nos condiciona e é inerente à condição humana. Nenhum ser está imune a sofrimentos, sejam eles dos próprios ou de outros. Esses sofrimentos estão associados a problemas diversos, sejam de injustiças de toda a natureza, de saúde, de relacionamento com os outros, começando pela família, financeiros e morais. São, como diz o povo, as nossas cruzes.

Alguns desses problemas curam-se com o tempo, sem necessidade de grande esforço humano mas outros, normalmente aqueles que todo o dinheiro do mundo não resolve, só podem ser vencidos pela força da vontade humana, pela crença, pela fé inabalável de quem sente que é capaz de ultrapassar todas os obstáculos, por maiores que se apresentem. Aqui, a componente que ajuda a vencer tem muito pouco ou nada de material e tem tudo, quase tudo, de espiritual. A componente que ajuda a vencer está muitas vezes para além do estritamente racional e beneficia de ingredientes que só se podem encontrar no domínio das vontades esclarecidas, das emoções mais sentidas e dos sentimentos mais profundos. O desporto dá-nos muitos exemplos bem impressivos deste tipo de casos, em que o sucesso está, na maior parte dos casos associados a fatores que estão para além do talento.

Para além das cruzes de cada um também há cruzes coletivas que podem afetar uma região, um país ou todo o planeta. É sobre estas que quero deixar uma nota.

Existem, a nível global e no nosso tempo, duas cruzes muito difíceis de suportar e, cada dia que passa, pesam mais. Refiro-me às mudanças climáticas e às desigualdades de rendimento e de riqueza. Para uma abordagem eficaz, qualquer delas exige condições muito difíceis de preencher. Primeiro, teria de ser construído um muito elevado nível de cooperação entre países e dirigentes políticos, a nível mundial. Sem a construção de um edifício desta natureza todos os esforços serão inúteis. Trata-se de problemas globais que exigem soluções globais. Segundo, porque se trata de questão política e, tal como nas cruzes individuais, são precisas vontades esclarecidas, o que pressupõe a existência de convicções robustas, que não variam com modas passageiras e resistem à tentação de trilhar os caminhos mais fáceis, imediatistas, de efeitos de curto prazo e efémeros e que são, normalmente, do agrado de plateias pouco exigentes.

Os tempos recentes mostram que o mundo ainda não se encontra em condições para enfrentar estas duas cruzes. A questão é cultural e política. Cultural, porque não se foi capaz de generalizar uma consciência coletiva que expresse o sentimento de urgência que os dois tipos de cruzes exigem. Política, porque os principais agentes parecem demasiadamente focados em lutas que vão conduzindo progressivamente a tendências isolacionistas, que é precisamente o contrário do que hoje se torna necessário. Este é o maior obstáculo para transformar para melhor, como diz o Papa Francisco, a nossa “Casa Comum”.

A atividade política é hoje muito condicionada por empurrões que surgem de todo o lado, o que faz com que os caminhos traçados se façam aos zigue-zagues, para a frente e para trás, sem uma orientação firme e clara. Esta miopia política não deixa ver mais longe e não deixa que se perceba todas as consequências das decisões tomadas.

Este é o grane problema da nossa casa comum. Porque há que ter a capacidade para analisar as consequências dessas decisões para além do imediato, era bom que os agentes políticos atassem os seus arados a uma estrela.

 

Algarve, 7 de Setembro de 2019

José Albino da Silva Peneda

 

Data de introdução: 2019-09-11



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...