ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram

Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar Chamava-se Mohamed Morsi e foi o primeiro chefe de estado daquele país eleito democraticamente ou, pelo menos, eleito em condições tidas como verdadeiramente democráticas. Morsi foi um activista que chegou à presidência do seu país com o apoio da chamada Irmandade Muçulmana, uma organização religiosa e social tida por muitos como fundamentalista. Este rótulo trouxe-lhe muitos adeptos, mas acarretou-lhe também uma forte oposição interna, além de uma grande desconfiança externa.

Apesar da sua vontade der ser aceite como presidente de todos os egípcios, tornou-se evidente que a eleição de Morsi veio dividir perigosamente o país e pôr ainda em causa as suas relações externas. O mais grave, porém, foi que a estrutura militar, que no período da “primavera árabe” tinha abandonado à sua sorte o então presidente Mubarak deu sinais claros de querer abandonar também o novo chefe de estado, abrindo caminho à ascensão política do comandante das forças armadas, o general al-Sissi, que se promoveu, entretanto, a marechal e, mais tarde, se proclamou vencedor de umas eleições em que terá obtido mais de 90% dos votos… O país entrava assim numa nova era política, mas a esperança na chegada próxima de uma primavera democrática acabou por dar lugar à realidade de um inverno sem fim à vista, como aconteceu noutros países do norte de África do Médio Oriente.

Mubarak, que governou o Egipto durante trinta anos, foi um presidente cujo peso na política externa não foi acompanhado por um prestígio igual a nível interno, devido às múltiplas acusações de que foi alvo e que se prendiam sobretudo com a corrupção, acabando por ser afastado ingloriamente depois de múltiplas manifestações populares que ficaram para a história recente do Egipto e que se traduziram no triunfo eleitoral de Mohamed Morsi.

É certo que este foi eleito democraticamente e fez promessas de democratização que pareciam sinceras, mas em que os militares não acreditaram, convencidos com estavam de que a sua ligação à Irmandade Muçulmana acabaria por arrastar o Egipto para a esfera do fundamentalismo religioso e político Na perspectiva dos militares, e não só, este fundamentalismo  afastaria irremediavelmente o país não só do grupo dos seus amigos ocidentais, mas também de alguns dos países árabes, seus vizinhos e aliados. O estranho desaparecimento de Mohamed Morsi pode ter provocado, e certamente provocou, algum alívio entre os militares que detêm o poder, mas tornaram ainda mias difícil, senão mesmo impossível, a chegada de qualquer primavera política àquele país. Ao Egipto, e não só.        

 

Data de introdução: 2019-07-18



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...