JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As IPSS serão cada vez mais importantes

Acredito que as Instituições Particulares de Solidariedade (IPSS) vão ter uma importância acrescida no futuro e explico a razão desta minha convicção. 

Parte desta ideia resulta da forma como vejo a evolução da sociedade no nosso tempo. Assistimos ao falhanço de duas experiências fundamentalistas. Falhou o estatismo e falhou o fundamentalismo de mercado. Se no fim do século passado caiu o muro de Berlim, no início deste século a crise recente demonstrou o fracasso das teses liberais ou neoliberais, dado que ficou provado que os mercados deixados à sua sorte não são capazes de se auto regular.

Nunca como hoje foi tão necessário apelar que a política seja construída na base de princípios éticos, apoiados num pragmatismo inteligente e flexível. Nunca como hoje foi tão necessário conceber uma política social que concilie a máxima liberdade com a máxima responsabilidade.

Neste quadro, as IPSS são um fator de esperança com vista a uma sociedade mais justa e, também por isso, mais desenvolvida, desde logo porque são portadoras de um projeto baseado em valores éticos essenciais, têm por princípio a primazia da pessoa e os seus objetivos são, prioritariamente, de natureza social.

De há muito que tenho a opinião que a maior parte dos graves problemas sociais que vivemos precisam muito de soluções locais. 

A possibilidade de se poder inovar e conseguir obter soluções diferenciadas e adaptáveis às características dos reais problemas, que são muito diferentes, de caso para caso e de região para região, é a forma mais correta de desenvolver componentes muito importantes das políticas sociais. As IPSS sabem fazer isto muito bem.

Sendo a atitude das IPSS a procura do chamado “bem comum” isso significa também uma opção de vida, através da qual os seus dirigentes assumem responsabilidades que se traduzem numa dádiva de serviço a favor dos outros.

Para além da superioridade de espírito que tal opção revela, a sua utilidade social está para além do serviço que é prestado.

Com efeito, através desta opção de vida identificam-se necessidades emergentes, que só um espaço de liberdade espiritual, de responsabilidade cívica e de uma ligação muito direta ao terreno pode proporcionar. 

 

Data de introdução: 2019-05-09



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...