CUSTOS TÉCNICOS E RECURSOS HUMANOS

CNIS requer participação das IPSS para municiar Grupos de Trabalho

No âmbito da concretização de uma das medidas mais exigidas pela CNIS nestes dois últimos anos, plasmada no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário 2017-2018 e que, ainda assim, só em dezembro de 2018 foi materializada parcialmente, com a criação de dois Grupos de Trabalho, de mais previstos no protocolo assinado entre o Governo e o Sector Social Solidário.
Criados, finalmente, os Grupos de Trabalho “para estudo e definição prospetiva dos custos técnicos das respostas sociais e proposta de um modelo de financiamento duradouro correspondente, considerando designadamente uma estrutura de custos estimados como adequados para o bom funcionamento das respostas sociais, bem como a estrutura de custos atual, devendo o trabalho ser desenvolvido com a disponibilização de toda informação relevante”, e para “avaliação dos impactos da maximização dos recursos humanos nas várias respostas sociais, o qual proporá (…) um novo modelo de organização que possibilite uma gestão mais eficaz e sustentada, mas mantendo os mesmos níveis de qualidade”, a CNIS solicita a participação de todas as associadas num processo que poderá consumir algum tempo, mas que, seguramente, será muito útil em negociações futuras no âmbito da cooperação com o Estado.
Estes grupos de trabalho iniciaram funções apenas em dezembro de 2018 e são constituídos pelos representantes do Terceiro Sector (CNIS, União das Misericórdias, União das Mutualidades e CONFECOOP), pela Direção-Geral da Segurança Social, pelo Instituto da Segurança Social, I.P. e pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
As associadas da CNIS que pretendam contribuir para os trabalhos que estão a ser desenvolvidos no âmbito destes grupos, poderão manifestar a sua disponibilidade para participar, através do preenchimento de uma inscrição (AQUI).
Toda a informação disponibilizada será objeto de tratamento confidencial e utilizada exclusivamente para os objetivos enunciados. Os resultados serão apresentados por resposta social com uma análise multivariada de critérios, não permitindo a identificação da IPSS.

 

Data de introdução: 2019-02-24



















editorial

CONTA SATÉLITE DA ECONOMIA SOCIAL

1. No passado dia 19 de julho, nas instalações do Instituto Nacional de Estatística - INE, foram divulgados os resultados da terceira edição da Conta Satélite da Economia Social, relativa ao ano de 2016.

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre a idade da reforma
Em Portugal, em 1960, a esperança de vida era de 63 anos; em 1980, de 71 anos; em 2000, de 76 anos; e, em 2018, atingiu-se os 81 anos. Significa que nos anos sessenta do século passado, em...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A ONU e os seus desafios
Um dos grandes motivos de justificado orgulho invocados pelo nosso país, a nível internacional, é o facto de o cargo de Secretário Geral da ONU ser ocupado por um...