MANUELA MENDONÇA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Até sempre!

Decorridos pouco mais de 12 anos sobre a minha primeira participação na Direcção da CNIS, posição seguida de outros lugares de menor relevo e que culminou com dois mandatos como Presidente da Assembleia Geral, eis que chega o momento de deixar os órgãos sociais da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade.
Com nostalgia?
Não a negarei. Não porque receie a falta de trabalho, que esse e muito, espera-me no quotidiano.
Mas notalgia porque, quer queiramos quer não, sempre vamos criando empatias com lugares e pessoas e, de tanto ficar, até parece que os lugares já nos pertencem!
Mas não é, ou não deverá ser assim! E ainda bem!
É importante que estejamos enquanto e apenas se sente, ou outros sentem, que fazemos alguma falta!
A minha palavra é, pois de despedida, certa de que não terá sido em vão que por aqui passei.
As lutas em que nos envolvemos (e foram algumas); os momentos menos bons que vivemos ou até, por vezes e involuntariamente, fizemos outros viver; o incómodo que, eventualmente causámos, mas também a união que procurámos; tudo foram momentos de crescimento.
Poderei então dizer que, enquanto pessoa e dirigente de uma IPSS, também cresci com a CNIS.
E estou grata por isso, a todos os que comigo, ao longo desta dúzia de anos, partilharam preocupações, bem como a todas as Instituições que ajudam a dar corpo a esta Confederação.
Uma última palavra para a CNIS e os seus novos dirigentes que, naturalmente, felicito, mas a quem desejo sobretudo uma força renovada que lhes permita assumir as grandes preocupações do momento e os múltiplos problemas inerentes à difícil situação que todos vivemos.
A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade tem de ser expressão de uma realidade única na Europa e até no mundo: a sociedade civil, unida em voluntariado procurando, gratuitamente, responder aos múltiplos problemas sociais do nosso país.
Não é demais recordá-lo: não há igual na Europa!
É assim que temos de ser respeitados, antes de tudo pelo Governo!
Exige-se uma atitude forte de definição: as IPSS fazem ou não falta no nosso país?
Muitas vezes eu penso: o que aconteceria se as IPSS parássem um dia que fosse?Importa ter atenção a esta pergunta!
Mas importa igualmente e por isso mesmo, que a CNIS, que nos representa, seja o verdadeiro parceiro que, junto do Governo, nos defenda e como tal seja reconhecida.

É a força para essa exigência que desejo aos novos órgãos sociais da CNIS, fazendo votos para que a Confederação das Instituições de Solidariedade não se feche em estudos teóricos (necessários, mas aqui não fundamentais nem determinantes) e assuma o confronto necessário à definição da importância (ou não) que as IPSS têm ou devem ter neste país.
Continuaremos a ver-nos, pois manter-me-ei desse lado!

 

Data de introdução: 2019-02-06



















editorial

COOPERAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

Estabelece a nossa Constituição o parâmetro normativo aplicável às IPSS, que se traduz, por um lado, no seu direito ao apoio do Estado e, por outro, na sua sujeição à fiscalização estadual.

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

As consequências de um referendo
Não obstante as dúvidas que se levantam muitas vezes quanto à observância de todas as normas que devem regular os referendos, estes são sempre uma das expressões...

opinião

MANUELA MENDONÇA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Até sempre!
Decorridos pouco mais de 12 anos sobre a minha primeira participação na Direcção da CNIS, posição seguida de outros lugares de menor relevo e que culminou com dois...