ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?

Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas consultas podem alterar, muitas vezes significativamente, o cenário político vigente até à sua realização.

Vem isto a propósito das eleições presidenciais brasileiras, cujos  resultados foram largamente comentados dentro e fora daquele país, como aconteceu em Portugal. No nosso caso concreto, esse interesse compreende-se perfeitamente, tendo em conta os laços históricos e afectivos que ligam os dois povos. De qualquer modo, o peso económico e político que o Brasil tem na América Latina e no mundo justifica perfeitamente o interesse mediático com que foram acompanhadas estas eleições A primeira volta traduziu-se numa vitória clara do candidato da direita, ou da extrema direita, em que o situava a maioria dos comentadores internacionais. De qualquer modo, muita gente ficou ainda com alguma esperança em que a segunda volta pudesse mudar o rumo dos acontecimentos. Mas aconteceu o que se sabe: o resultado definitivo das eleições veio confirmar uma clara viragem à direita naquele país.

As razões desta viragem já foram motivo de muitas análises, mas para além de naturais diferenças interpretativas, parece haver uma explicação comum e mais ou menos consensual: a de que os resultados do dia vinte e oito de outubro traduziram uma clara rejeição da classe política dominante, a qual os eleitores atribuíram a responsabilidade pela degradação moral e económica a que o Brasil chegou. E como o PT se transformou no símbolo dessa degradação, o seu representante na corrida à presidência, Fernando Haddad, acabou por ser o grande derrotado desta consulta eleitoral. O grande derrotado, sobretudo porque, ainda por cima, perdeu para um candidato sem qualquer prestígio, um candidato sujeito sistematicamente a acusações políticas e pessoais de toda a ordem e que seria, por isso, pelo menos aparentemente, incapaz de convencer o povo brasileiro a escolhê-lo para o mais alto cargo político do país. Apesar disso, o delfim de Lula da Silva perdeu redondamente e, com ele pode dizer-se que perdeu também toda a esquerda brasileira, mas não só.

Nos anos noventa do século passado e na primeira década deste século, muita gente falou da deriva esquerdista que parecia estar a inundar a América Latina, desde Cuba aos novos bastiões marxistas ou filo marxistas deste subcontinente, como a Venezuela, a Nicarágua ou a Bolívia. Agora, com a tragédia social que atinge a Venezuela, as tensões que agitam a Nicarágua, e a derrota do candidato do PT no Brasil, bem se pode dizer que a deriva é outra…

 

Data de introdução: 2018-11-09



















editorial

COOPERAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

Estabelece a nossa Constituição o parâmetro normativo aplicável às IPSS, que se traduz, por um lado, no seu direito ao apoio do Estado e, por outro, na sua sujeição à fiscalização estadual.

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

As consequências de um referendo
Não obstante as dúvidas que se levantam muitas vezes quanto à observância de todas as normas que devem regular os referendos, estes são sempre uma das expressões...

opinião

MANUELA MENDONÇA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Até sempre!
Decorridos pouco mais de 12 anos sobre a minha primeira participação na Direcção da CNIS, posição seguida de outros lugares de menor relevo e que culminou com dois...