OUTUBRO 2018

Respostas sociais dirigidas a pessoas idosas

1.  Um diagnóstico de saúde da população servida pelas IPSS associadas da CNIS, feito pela Universidade de Évora e coordenado pela investigadora responsável Felismina Mendes, revela que, segundo a Carta Social, no período 2000-2016, nas respostas sociais dirigidas a pessoas idosas, se observou um crescimento de 59%, das respostas sociais destinadas ao apoio à população idosa.
O Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) constitui a resposta social com maior incremento no âmbito deste grupo-alvo, representando, em 2016, cerca de 36% do total de respostas.
A Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) tinha 94.976 lugares de oferta e o Centro de Dia 64.705.
As principais fontes de rendimentos destas pessoas servidas pelas IPSS são:
- 82% pensão de velhice;
- 15% pensão de invalidez;
- 2% pensão de sobrevivência;
- 1% a cargo da família.
Ainda segundo o mesmo diagnóstico, 52,91% das pessoas idosas apoiadas nas IPSS têm um rendimento financeiro inferior ao salário mínimo nacional e apenas 17,51% têm um apoio financeiro superior ao mesmo salário.

2. No que se refere concretamente à população servida na resposta social de Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), o mesmo diagnóstico refere que, sendo mulheres 70,57% das pessoas idosas institucionalizadas, os principais motivos de internamento são:
- Problemas de saúde (69,5%);
 - Motivos familiares (17,1%);
- Problemas financeiros (9,5%);
- Medo ou solidão (3,8%).
Ainda segundo o mesmo diagnóstico, a maioria das pessoas idosas tem uma ou mais doenças crónicas medicamente diagnosticadas, sendo as doenças mais prevalentes nas pessoas idosas:
- Hipertensão arterial (50%)
- Diabetes (28, 1%)
- Demência (15,6%)
O mesmo estudo refere que a incontinência é o problema de saúde com maior impacto nos percursos de saúde dos utentes em ERPI e afeta 59,46% das pessoas idosas.
Outros problemas ativos que requerem cuidados de saúde ou vigilância em ERPI são:
- Dificuldades de memória (52,25%)
- De comunicação (46,85%)
- De acuidade visual / auditiva (37,84%)
O número de medicamentos diferentes que, em média e por dia, tomam as pessoas idosas é 8,49. O número máximo de medicamentos situa-se em 18 por dia.
Apresentam algum tipo de dependência nas suas atividades de vida e necessitam de uma intervenção estruturada de cuidados:
- 96,9% das pessoas idosas
- 67,48% das pessoas necessita diariamente de ajuda para o autocuidado na alimentação.
- 1/3 das pessoas idosas (37,75%) tem o diagnóstico de Demência
- 37,83% necessita de ajuda total
- 30,39% necessita de ajuda parcial na locomoção.

3. Oportuno e científico, o diagnóstico é o que é.
E não sendo catastrofista, espelha uma realidade com reflexos evidentes numa cooperação que é o caminho em curso e sempre em desenvolvimento:
Todas as respostas sociais das IPSS também o são-no na área da Saúde. As de apoio à população idosa com grande evidência.
- Já chamada à cooperação, a Saúde precisa de significativo revigoramento...
Particularmente em Estruturas Residenciais, são problemas de saúde a grande causa para a institucionalização.
- Mais do que ERPI, os Lares são ESPI (Estruturas Sociais para Pessoas Idosas).
Tanto este diagnóstico como o estudo sobre a importância económica das IPSS evidenciam que é a população mais carenciada aquela que é privilegiada pelas Instituições de Solidariedade.
- Para acautelar o colapso do sector, o estudo sobre o custo médio da frequência obrigará o Estado a assumir as suas muitas responsabilidades.
As Instituições de Solidariedade vêm das comunidades com a missão do serviço à comunidade e com o único móbil da satisfação das utentes que são pessoas das comunidades.
- As Instituições de Solidariedade reivindicam maior autonomia, nomeadamente na afetação dos seus colaboradores.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2018-10-11



















editorial

COOPERAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

Estabelece a nossa Constituição o parâmetro normativo aplicável às IPSS, que se traduz, por um lado, no seu direito ao apoio do Estado e, por outro, na sua sujeição à fiscalização estadual.

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

As consequências de um referendo
Não obstante as dúvidas que se levantam muitas vezes quanto à observância de todas as normas que devem regular os referendos, estes são sempre uma das expressões...

opinião

MANUELA MENDONÇA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Até sempre!
Decorridos pouco mais de 12 anos sobre a minha primeira participação na Direcção da CNIS, posição seguida de outros lugares de menor relevo e que culminou com dois...