A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Estudo será instrumento fundamental para a ação da CNIS

O estudo «Importância Económica e Social das IPSS», realizado pela Universidade Católica a pedido da CNIS, afigura-se como um instrumento de trabalho precioso para a atuação da Confederação. “É o primeiro estudo feito com esta profundidade e com estes indicadores”, sustenta Palmira Macedo, assessora da CNIS, explicando que vem “consolidar algumas ideias que se tinham e que não estavam sustentadas cientificamente e agora estão”. O estudo, coordenado por Américo Mendes, surge integrado numa candidatura ao POISE e que tem como principal objetivo “fortalecer a CNIS para que possa responder melhor e prestar melhores serviços às suas associadas”.

A CNIS já tinha feito um estudo sobre o multiplicador, direcionado para o impacto das instituições em apenas quatro concelhos, mas com este novo trabalho “o multiplicador dá-nos dados para o país”, mostrando o impacto das instituições por regiões também.
“Entendemos que para prestar melhores serviços às associadas é preciso conhecer muito bem o seu funcionamento. Nesse âmbito foram encomendados dois estudos, um à Universidade de Évora, que faz a caracterização da intervenção das instituições ao nível da saúde, e este à Universidade Católica, elaborado pelo professor Américo Mendes”, refere Palmira Macedo, destacando: “Este estudo, desde o início, que o reputamos de fundamental, porque é essencial perceber exatamente como é que está a funcionar o sector. Ver quais eram os indicadores que daqui advinham e possam levar a CNIS a qualificar a sua intervenção junto do Estado em momentos de negociação e junto das associadas”.
Este é um estudo que permitirá a CNIS conhecer melhor o sector e ser um instrumento essencial para as negociações com o Estado, para melhorar a intervenção da CNIS junto das associadas e também para desmistificar muitas ideias que subsistem na opinião pública sem que as mesmas tivessem respaldo científico.
“E pelos resultados que o estudo apresenta temos já aqui boas fontes para podermos avançar nestas duas direções. Nas negociações com o Estado, quando lhe dissermos com rigor e pela primeira vez no nosso país qual é exatamente a sua comparticipação, as coisas serão diferentes. Esta amostra tem rigor científico e pode ser extrapolada para o todo nacional, pois é uma percentagem muito elevada, que cobre todo o território nacional e todas as formas jurídicas. A CNIS pode, com toda a segurança, extrapolar estes dados para o todo nacional. E pode, quando estiver em negociações, identificar com exatidão que a comparticipação do Estado central é X, a das autarquias é Y e por aí fora. Este estudo identifica todas as fontes de receita das instituições e também provou que as instituições cumprem um dos seus grandes objetivos que é privilegiar as pessoas mais carenciadas, porque os seus utentes apenas conseguem pagar 30% dos custos dos serviços que lhe são prestados. Este é um outro indicador fundamental que qualifica a intervenção da CNIS”, explica a assessora.
Reconhecendo que o estudo revela que, ao nível das instituições, “há coisas a melhorar”, especificando: “Como já tínhamos alguns indicadores, porque vínhamos acompanhando o estudo, refletimo-los na candidatura recentemente aprovada a esta medida e que tem que ver concretamente com a qualificação da gestão dos dirigentes. Para tal vamos desenvolver um programa de formação, que já fizemos com a Católica noutros momentos, na área da gestão para dirigentes”.
Esta será uma formação para todos os dirigentes dos órgãos sociais da CNIS, incluindo os que integram o Conselho Geral, “para que eles possam também replicar nas suas instituições e não só para que haja um efeito multiplicador” na tentativa de suprir esta necessidade das IPSS.
Outra evidência que a elaboração estudo demonstrou é a necessidade de uniformização do tratamento contabilístico das IPSS.
“Precisamos de fazer também algum trabalho junto dos contabilistas. Percebemos que, ao longo do país, há zonas que estão muito bem cobertas a este nível e onde é possível encontrar no mercado empresas que trabalham com o sector e que conhecem as suas especificidades e que respondem às necessidades das instituições e outras zonas em que é muito difícil, porque há um gabinete de contabilidade que tem 50 empresas e uma IPSS como clientes e que trata tudo da mesma forma. Por isso é preciso fazer essa informação/formação para que haja uma uniformização e cuidado”.
E isto tem como grande propósito “concluir outra ação que também está prevista nesta candidatura, que é a criação da Central de Balanços”, revela.
O estudo inicialmente incidiu sobre 400 IPSS, mas o coordenador decidiu alargá-lo aos 10% do universo de IPSS que existem em Portugal, recolhendo e tratando dados de 565 instituições com todos os elementos da demonstração de resultados.
Ora, isto “é algo suficientemente valioso pelo que a CNIS avançou para a criação da Central de Balanços, que vai arrancar ainda este ano”, defende Palmira Macedo, acrescentando: “Para isso, precisamos das Contas e de ter acesso a elas de forma mais célere. De facto, as instituições são obrigadas a publicá-las num sítio na internet e que até foi exigido que fosse um sítio próprio. Talvez essa exigência do site próprio tenha estragado isto tudo, porque se as instituições fossem obrigadas a publicá-las num sítio de acesso fácil, e estou a pensar nos sites das Uniões Distritais, se calhar era muito mais fácil”.
O estudo «Importância Económica e Social das IPSS» será apresentado publicamente em data a anunciar pela CNIS.

[Em Grande Entrevista, realizada com o coordenador do mesmo, Américo Mendes, pode ficar a conhecer um pouco mais do trabalho efetuado pela Universidade Católica a pedido da CNIS]

 

Data de introdução: 2018-09-13



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...