HENRIQUE RODRIGUES

Parabéns a quem?

O Governo resolveu festejar os dois anos que leva de vida.

Percebe-se a vontade festiva: há dois anos, poucos auguravam vida longa à geringonça, condenada a balançar entre o virar da página da austeridade (com reversão das medidas tomadas durante o Governo da troika) e o compromisso com as regras europeias, nomeadamente quanto ao controlo do défice, ao cumprimento do tratado orçamental e à diminuição da dívida.

No entanto, a parte predominante deste período correu realmente bem: o desemprego tem diminuído em termos mais amplos do que o esperado, com criação líquida de postos de trabalho, a economia cresce com passada certa, o clima social tem sido pacífico – como combinação de dois factores: em primeiro lugar, a efectiva restituição de rendimentos nos escalões mais baixos, replicando o que fizera Passos Coelho; por outro, o preço a pagar pelo PCP pela integração na solução parlamentar de Governo …

Até a Selecção Nacional ganhou o Campeonato da Europa, assim colaborando no suplemento de alma que a nova solução de Governo induzia – como geralmente sucede com as novas soluções de Governo, sejam quais sejam, em todos os tempos.

Mais vale cair em graça do que ser engraçado … e, na verdade, até há pouco tempo, pareceria que todos os elementos se conjugavam para levar a nau a bom porto e à bolina.

Chamam a essa conjunção favorável “estado de graça” – expressão que, no meu tempo de rapaz, significava o estado da alma após a confissão, depois de feita a barrela dos pecados.

(Não sei se vai bem a entidades tão sujeitas à tentação e ao pecado, como são os Governos – e quem detém poder em geral –, esta homologia com a alma lavada …?)

 

2 – Parece, no entanto, consensual que esse clima acabou.

O “clic” foram os incêndios de Junho e Outubro.

Não interessa agora muito, na perspectiva da percepção colectiva, saber se a culpa foi do Governo em funções, ou de outros anteriores, ou de todos – nem se o Governo está a fazer o que pode para mitigar os danos (os que podem ser mitigados …).

O Estado falhou na protecção que deve aos seus cidadãos.

E, por mais que o Governo apresente medidas para nos convencer de que faz o que pode, o corte entre quem manda e quem é mandado permanece como uma cicatriz na relação entre eleitores e eleitos.

Como escreveu Alexandre O’Neill: “Você tem-me cavalgado/seu safado! /Você tem-me cavalgado,/mas nem por isso me pôs/ a pensar como você.//Que uma coisa pensa o cavalo;/ outra quem está a montá-lo.”

Ora, com efeito, a desgraça dos incêndios – e, talvez com maior probabilidade, o ralhete do Presidente da República – parece ter tirado a lucidez e o senso comum aos que nos pastoreiam no turno actual, fazendo encavalitar nessa infeliz reacção à tragédia uma sucessão de inabilidades – para utilizar um vocábulo piedoso.

(Sou do Porto, entendo que a Região Norte tem sido maltratada pelos sucessivos Governos, defendo a regionalização política e administrativa do País – mas preferia ter sido poupado à coreografia e encenação a propósito da transferência, que não se fará, mas fingirá fazer-se, do INFARMED para o Porto.

Fiquei, pelo menos, a saber que o INFARMED tem dos melhores técnicos e laboratórios do mundo – para variar, somos sempre os melhores … -, o que permite, por esta via, falar do INFARMED sem ser a propósito dos concursos para atribuição de alvarás às farmácias, sector onde as notícias não têm sido tão benevolentes.)

Finalmente, a aprovação final do Orçamento de Estado para 2018 trouxe à luz uma outra linha de fractura, mas agora fractura interna, dentro da própria geringonça: a fractura que separa, como um abismo, o PS dos parceiros da coligação, quanto ao corte nas rendas das grandes produtoras e distribuidoras de electricidade e que exigiu a intervenção do próprio Primeiro-Ministro.

A fractura da factura.

Como nos recordamos, não obstante as suas sabidas malfeitorias, a própria troika aconselhou o Governo de Passos Coelho a cortar na factura energética, diminuindo de forma significativa o montante das rendas pagas à EDP – e outras empresas do ramo -, a título de compensação pelo investimento em energias renováveis.

Passos Coelho, nesse particular, não foi além da troika – pelo contrário, ficou muito aquém; e António Costa acabou por nos vir lembrar que não é só nas políticas europeias que o PS nunca se encontrará com os partidos que, à sua esquerda, suportam o Governo, subsistindo zonas de convergência com o PSD/CDS também no tributo ao grande capital.

 

3 – Ora, em meu entender, em tempo de luto não se fazem festas – nem o clima geral permanece tão efusivo que justifique essa espécie de alegria obrigatória que as festas também são.

Festejar o quê? Festejar com quem?

Até Junho passado, com certeza: não havia sombras nem pesar, o ar estava límpido, as pessoas felizes, a esperança de um futuro melhor constituía um anseio colectivo e generalizado.

E festejar com quem?

Pois só pode ser com o País…

Então não estamos cá todos?

Não se nos aplicam as medidas favoráveis do Governo?

Não estamos sujeitos às más?

Se a festa era para louvores e congratulações pelos dois anos, só aquele grupo mereceu o convite?

E se era para avaliação e crítica – com vista à melhoria -, não teríamos todos direito a dar palpites?

Com efeito, não foi tanto o facto de o Governo ter patrocinado um painel escolhido, pagando-se-lhes 200 euros por cabeça e por pergunta.

Se foi o Estado a pagar, está evidentemente mal; mas isso é o menos.

Habituados que estamos a pagar milhares de milhões de euros para resgate de bancos e banqueiros, para pagamentos das rendas das empresas de electricidade ou das parcerias público-privadas, os trocados pagos aos membros do painel não aquentam nem arrefentam.

É a fita, é a encenação, é a coreografia, que dói.

Perdoe-se-me a palavra, mas é a que encontro que melhor se adequa à função: é a pelintrice.

 

4 – Quanto à fractura: oh! Geringonça, quem há-de “Cerzir /tua discreta/cicatriz/e diluir-/lhe os sulcos/sem raiz”(a)?

Adivinho que não será o Presidente da República.

 

  1. José Augusto Seabra, Tempo Táctil

 

Henrique Rodrigues – Presidente do Centro Social de Ermesinde


 

 

Data de introdução: 2017-12-07



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...