PADRE JOSÉ MAIA

Canteiros de paz em cenário de guerra

À medida que nos aproximamos do Natal, vamos sendo inundados por imagens e mensagens que despertam em cada pessoa, em cada família e em cada comunidade humana, sentimentos e vibrações que se cruzam nos nossos corações, abrindo-os a expressões de fraternidade, solidariedade, esperança e concórdia.

As decorações das nossas cidades e a animação das grandes superfícies comerciais, assim como as celebrações religiosas e festas natalícias que sempre acontecem nesta quadra, e são especialmente vividas e participadas pelas crianças, acabam por nos contagiar a todos com a beleza das cores, a alegria das músicas e a sã convivência entre as pessoas, que, por esta via, experienciam a verdadeira mensagem do Natal, a FRATERNIDADE!

Bom natal: que o Natal/2017 reforce em cada um de nós a utopia profética da “esperança” num mundo e num tempo em que, apesar de muitos sinais contraditórios, ainda não deixaram apagar o rosto de Deus que faz de cada pessoa um ser humano e divino em permanente peregrinação para a Terra Prometida!

Feliz Ano Novo: por iniciativa da Igreja Católica, o primeiro dia do mês de janeiro de cada ano é declarado como DIA DA PAZ que, todos os anos, nos interpela com uma mensagem do Papa!

À semelhança dos seus antecessores, também o Papa Francisco partilhou connosco o que pensa e deseja para o novo ano de 2018.

Começa por recordar o que mais o preocupa: “os 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados”.

Confessa a sua convicção de que as migrações globais continuarão a marcar o nosso futuro. E vais mais longe ao afirmar: “ alguns consideram-nas uma ameaça…eu, pelo contrário, convido-vos a vê-las com um olhar repleto de confiança, como oportunidade para construir um futuro de paz”.

O Papa Francisco recorre a Isaías e ao Apocalipse para nos recordar que “o mundo deve ser uma cidade com as portas sempre abertas para deixar entrar gente de todas nações”.

Vai mais longe o Papa Francisco ao profetizar que “quem estiver animado por este olhar sobre o Mundo como uma casa comum, será capaz de reconhecer rebentos de paz que já estão a despontar e cuidará do seu crescimento, transformando as nossas cidades em canteiros de paz”!

Pura utopia ou ousadia profética no anúncio de novos tempos?

 

Data de introdução: 2017-12-07



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...