ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A Coreia do Norte e as provocações

São tantas as guerras que se vão travando pelo mundo, que algumas delas já não têm um grande impacto junto da opinião pública. A não ser que o centro dos combates se situe muito próximo ou a opinião pública tenha acesso ao dramatismo das suas imagens, muitos desses conflitos já não provocam reacções generalizadas de pânico ou de alarme. De resto, poderá mesmo dizer-se que uma das consequências da multiplicação das notícias sobre guerras é precisamente a da sua banalização.

Hoje, o maior receio da Humanidade no que diz respeito à Paz no mundo, tem a ver, para a maior parte das pessoas, com o perigo de uma guerra nuclear. Na verdade, grande parte dos habitantes do nosso planeta tem consciência de que o mundo, tal como o conhecemos hoje, não sobreviveria a um conflito nuclear de grande dimensão e isso chega para justificar todo a angústia gerada à volta da possibilidade de uma guerra atómica.

Vem isto a propósito do agravamento das tensões entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. O pretexto para esse agravamento, que não cessa de aumentar, têm sido os lançamentos repetidos e bem sucedidos, de mísseis nucleares cujo alcance é cada vez maior. O primeiro desses lançamentos ocorreu no dia 4 de Julho, e foi na linguagem provocatória dos responsáveis políticos norte-coreanos, uma espécie de presente para esses “bastardos” de Washington, em plena comemoração da sua festa nacional. Foi um aviso de que a distância já não chega para os americanos dormirem tranquilos quanto ao perigo dum ataque nuclear. Pelo menos, e para já, os americanos que residem ou trabalham no Alasca. Há poucos dias, o exército norte-coreano fez mais um lançamento que sobrevoou o Japão, o maior aliado dos Estados Unidos na Ásia.

Para Donald Trump, um homem demasiado cioso do seu poder e aparentemente incapaz de se conter, as provocações de Pyongyang devem ter sido extraordinariamente difíceis de ultrapassar, como se pode depreender das suas violentas ameaças ao líder do regime comunista norte-coreano. De qualquer modo estes sucessivos episódios serviram para duas coisas. Antes de mais, para demonstrar que, em momentos decisivos, até os responsáveis políticos que julgamos mais desequilibrados, como é o caso de Donald Trump, não podem reagir a quente a provocações demasiado perigosas para o presente e para o futuro do mundo. Depois, e de qualquer modo, servem também para lembrar que o nosso mundo pode ter de enfrentar uma ameaça contra a qual não há muita defesa.

Não conhecemos ainda tudo acerca do regime norte-coreano e do comportamento do seu líder, mas há motivos suficientes para temer que, apesar de todas as pressões internacionais, este possa levar as suas provocações demasiado longe…

 

 

Data de introdução: 2017-09-10



















editorial

As nossas diferenças potenciam a coesão e a união

Discurso do Presidente da Mesa da Assembleia Geral da CNIS, José Carlos Batalha, por ocasião da tomada de posse dos órgãos sociais para o mandato 2019-2022. 

inquérito

Que expectativa tem para o ano de 2019?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos: a crise do orçamento e o muro
Que um governo norte-americano fique temporariamente inoperacional, por via da não aprovação do seu orçamento, não constitui propriamente uma novidade. Que uma crise...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Obrigado, Padre Lino!
Ainda no rescaldo do sufrágio eleitoral na CNIS em que o Padre Lino Maia voltou a merecer, por voto secreto, a confiança das centenas de Instituições Particulares de...