PADRE JOSÉ MAIA

Sinais dos Tempos...

No preciso momento em que me sentei para começar a redigir esta crónica para o SOLIDARIEDADE, estou a acompanhar as várias reportagens que, em direto, estão a colocar-nos diante dos olhos e do coração, cenas de uma multidão de gente assustada, de ambulâncias a transportar vítimas de mais um atentado terrorista (a acrescentar aos já 721 que foram perpetrados, só neste ano)!

Apesar de alguns deles terem como cenário países e cidades menos mediatizados (fora da Europa), tem sido no coração de várias cidades europeias que os autores desta “nova geração de atos terroristas” (com recurso a meios exíguos, quase artesanais) estão a desafiar o potencial militar que tantas vezes é mostrado ao mundo, no pressuposto de que, desta forma, os “novos terroristas” pensarão duas vezes antes de perpetrarem mais atentados que têm merecido adjetivos como: desumanos, vis, selvagens!

Parece, porém, que a “razão da força=poder militar e bélico” não está a revelar-se dissuasora!

Mais e pior: o MEDO ameaça tornar-se uma “nova arma” capaz de nos obrigar a TODOS a repensar quase TUDO em relação a matrizes civilizacionais e a modelos de organização social, política, económica, cultural e até religiosa!

Com o devido respeito e consideração por todos os analistas e comentadores da nossa praça que encontram sempre um jeito de, muitas vezes, falarem muito mas sem dizerem nada, por falta de argumentos consistentes, permito-me sugerir um método de análise que, por norma, costuma ser bastante eficaz. Prevenindo a crítica de que estou a gerir um “conflito de interesses”, uma vez que este método de análise é muito inspirado no Cristianismo, informo que me estou a referir ao “discernimento”, que constitui um bom instrumento de análise na leitura que faz sobre os sinais dos tempos!

Permiti-me que, a este respeito, recorra a uma conferência notável de D. José Policarpo, já falecido, que teve como tema: “leitura dos sinais dos tempos: um olhar cristão sobre a História” e que, entre outras reflexões, produziu estas:

- “ler os sinais dos tempos não é uma questão de moda; é um desafio permanente aos discípulos de Cristo, que deve gerar uma contínua atenção ao sentido profundo da história, lida e interpretada a partir da fé”;

- esta leitura assenta em alguns pressupostos, tais como, e antes de mais: “a unidade de toda a Humanidade, a única família humana, criada por Deus com amor. Neste tempo de globalização, a unidade da família humana é um elemento central da mutação cultural”.

Esta unidade de toda a Humanidade começa a tornar-se consciência de um património universal comum a todos os homens, que pode tornar-se fundamento ético, decisivo para a construção do diálogo, da harmonia e da paz”.

 

Admitindo que estamos num tempo de profunda “mutação cultural”, talvez façam sentido, esta e outras abordagens como esta, centradas num bom discernimento sobre o atual momento em que se encontra, tanto a Natureza como a HUMANIDADE.

Já vivemos o tempo em que se decretou a “MORTE DE DEUS”!

Depois, veio a “Era do VAZIO”.

Há uns anos que, através do crime da expulsão de milhões de cidadãos das suas pátrias, no que veio a designar-se como o drama humano dos “REFUGIADOS”, recordámo-nos da famosa parábola do “FILHO PRÓDIGO”, mas, neste caso, com uma diferença: o filho não saiu da casa por sua vontade, mas dela foi expulso!

Agora paira no Mundo um sentimento de “ORFANDADE”.

São precisos mais “sinais”? Queremos repetir a triste história de Abel e Caim?

 

Pe. José Maia

 

 

Data de introdução: 2017-06-09



















editorial

OE 2018 e outros orçamentos

Porque os orçamentos de Estado se processam em cadeia, publicado um, logo se impõe que se comece a pensar no seguinte... Se o de 2018 poderia ser mais proactivo, até porque a conjuntura económica parece favorável e é um orçamento...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Canteiros de paz em cenário de guerra
À medida que nos aproximamos do Natal, vamos sendo inundados por imagens e mensagens que despertam em cada pessoa, em cada família e em cada comunidade humana, sentimentos e...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A dúvida que permanece
Parece que, desta vez, é verdade: aos noventa e três anos de idade, Robert Mugabe deixou de ser o chefe de estado mais velho do continente africano e um dos mais velhos do mundo. Depois de...