XI FESTA DA SOLIDARIEDADE - MADEIRA

Uma Chama que sempre vive

Novo dia da centelha solidária da CNIS na Madeira e nova dose de entusiasmo, celebração e festa. Foi junto à estátua da Irmã Wilson que o sexto dia de digressão da Chama da Solidariedade teve início, mas foi na Gaula que ardeu, pela primeira vez, exuberantemente.
A interpretação do Hino da Solidariedade, «a cappella», por um grupo alunos de Santa Cruz inscreveu-se na lista das várias versões que as instituições madeirenses têm criado… e muito bem!
A esta altura estava a flama solidária em Santa Cruz, arrumando, de seguida, para a Gaula.
Há quem diga que uma imagem vale por mil palavras, mas quando as palavras são bem costuradas, a coisa pode não ser bem assim…
É que na Gaula, mais concretamente no Refúgio de São Vicente de Paulo, a poetisa Olívia Baptista, utente do lar, escreveu e declamou o poema «Chama Viva», que retrata de forma exemplar e simples o universo e espírito que a Chama da Solidariedade carrega.
Por isso, mais do que outras palavras, ficam as de quem vive por dentro a solidariedade das IPSS.
“Chama ardente sê bem-vinda/Te saudamos com amor/No Refúgio de São Vicente de Paulo/Recebemos os idosos/Também habita o Senhor.
Hoje a Chama nos Visita/Recebemo-la com alegria/Símbolo da solidariedade/Para toda freguesia,
A Festa da Solidariedade/Celebra e louva o trabalho das instituições/Enaltece os seus valores/Em nossos corações.
Muito amor e esperança/É o que esta Chama nos traz/Agradecemos a todas as instituições/O trabalho que cada uma faz.
A Chama vem afirmar/O seu imenso valor/Todo o trabalho do lar/É feito com muito amor.
Vemos o combate à pobreza/Uma missão essencial/Queremos justiça e dignidade/Para toda a população em geral.
Instituições Particulares de Solidariedade Social/Trabalham com dignidade/Recebem muitos carenciados/E lutam pela igualdade.
Vimos a Chama ser recebida por muitas instituições/Para lhes dar força e coragem/Em todas as ocasiões.
A chama que sempre vive/No fundo dos corações/Chama viva não te apagues/Não tragas desilusões”.
Imagens para quê, quando as palavras são costuradas acertadamente?
De seguida a primeira paragem no Funchal, mais concretamente em S. Gonçalo, na Casa de Saúde Câmara Pestana, onde a Chama foi recebida em grande festa. Um momento de dança protagonizado pelos utentes e funcionários fez a centelha solidária ganhar força, pois nem alguns problemas técnicos com o som atrapalharam quem no palco dava um espetáculo bastante interessante.
Ao início da arde, a flama prosseguiu o seu caminho até à Praça do Município, na baixa do Funchal. Aí, as crianças, até porque era o seu Dia Mundial, foram quem dominou as atenções, mas não só.
Interpretação coreografada do Hino da Solidariedade por um grupo de crianças da Escola Maria Eugénia Canavial abriu em beleza o momento de animação musical, que se seguiu o grupo de rua Camachofone e ainda um momento de dança por outro conjunto de petizes.
Em desfile pedonal, a Chama seguiu até ao Parque de Santa Catarina, onde centenas de crianças celebravam o seu Dia Mundial.
Com mais uma visita pela frente, a caravana, agora automóvel, rumo a São Martinho, para a Casa do Povo local. Para além dos responsáveis pela Casa do Povo, Rubina Leal, secretária Regional para a Inclusão e Assuntos Sociais, aguardava a Chama da Solidariedade.
Novo momento musical, com cantares e dançares tradicionais da Madeira, e assim fechava mais um dia de périplo, quando já tudo se prepara para a 11ª edição da Festa da Solidariedade.

 

Data de introdução: 2017-06-02



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....