PADRE JOSÉ MAIA

Eles comem tudo...

Pedindo desculpa pela invocação de José Afonso num tempo em que seria suposto reinar neste “jardim à beira mar plantado” um clima de justiça e paz social, democracia económica e fiscal, mas, ao invés, se assiste a uma onda de desvios colossais de riquezas produzidas no país e exportadas, pela porta do cavalo, para paraísos fiscais, com um Estado e o seu sistema fiscal a ser forte para com os fracos e fraco para com os fortes, apetece perguntar: ainda é verdade que “o povo é quem mais ordena”, como nos prometeram na revolução de Abril?

Abril foi bom, foi bonito, deixou-nos a imagem simpática do cravo enfiado na espingarda. À revolução devemos a liberdade, a democracia, o fim das guerras coloniais, muito do progresso social que retirou o país da pobreza e do isolamento internacional.

Ainda temos na memória a promessa da descolonização, da democracia e do desenvolvimento.” (Os famosos 3 D).

Porém… persiste um problema com a aplicação de “terceiro D” (desenvolvimento): um desenvolvimento económico e social de rosto humano, com acesso para TODOS à igualdade de oportunidades. Porque é que a concretização deste “D” tem sido sucessivamente adiada, a ponto de nos ter levado a sermos os campeões europeus das desigualdades sociais?

Durante muito tempo, falaram-nos do “monstro” do défice e da necessidade de apertar o cinto para controlar as contas públicas.

Porém, nos últimos anos e nos tempos mais recentes, tem sido um “fartar vilanagem”, com sucessivos e escandalosos crimes de colarinho branco que retiraram do país avultadas quantias financeiras, que nos levam a perguntar: e não acontece nada?

Em face de tudo isto, ainda persistirão dúvidas sobre a verdadeira causa das nossas desigualdades sociais?

Quem nos governa, ainda não percebeu que o povo começa a dar sinais de não estar disponível para engolir narrativas que pretendem fazer-nos crer que há fartura onde a gente vê pobreza, que está tudo sob controlo, quando assistimos a sinais preocupantes de uma certa luta de classes, que pode corroer a coesão social?

Permito-me citar o refrão da canção “vampiros” de José Afonso:

Eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada”.

E ainda:

“São os mordomos do universo todo,

Senhores à força, mandadores sem lei.

Enchem as tulhas, bebem vinho novo,

Dançam a ronda no pinhal do rei “.

 

“A toda a parte chegam os vampiros,

Poisam nos prédios, poisam nas calçadas;

Trazem no ventre despojos antigos,

Mas nada os prende às vidas acabadas”.

 

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2017-03-12



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....