Os privilégios da Função Pública

Espera-se dos funcionários públicos e sindicatos uma mudança de atitude e de cultura dos direitos para uma atitude e cultura dos deveres, do serviço e da solidariedade ….

Foi certamente com grande surpresa que os portugueses tiveram conhecimento dos privilégios dos funcionários públicos, gestores públicos, políticos e autarcas trazendo à luz do dia um reino pouco transparente e de subvenções, reformas a dobrar e a triplicar acumuladas com vencimentos, ordenados a triplicar em empresas públicas e municipalizadas, etc. etc. Pela primeira vez um governo passa das promessas da moralização da coisa pública aos actos e só por isso todos devemos tirar o chapéu ao Sr. Primeiro Ministro pela sua coragem, sendo de facto um bom sinal de que alguma coisa mudou no que respeita à moralização da acção política, pois é evidente que os governos anteriores o que não conseguiam fazer, por falta de coragem, como actualizar os salários dos políticos e de cedência em cedência perante os sindicatos da função pública que apenas reivindicam direitos e não promovem os deveres e o trabalho, foi-se dando por debaixo da mesa e de forma dissimulada e corporativa.

A existência da democracia implica a verdade e a transparência na vida política criadora da justiça social, o que muitos de nós já duvidávamos que tal viesse a existir em Portugal. Alguns exemplos da nossa "democracia":
1) funcionários públicos com promoções automáticas, reforma a 100% ao fim de 36 anos de serviço, ’baixas’ até dois anos, avaliações de Excelente e Muito Bom à grande maioria dos funcionários quando as avaliações "sérias" se situam em média nos 5% Excelente, 15% Muito Bom, 40% Bom, 30% Satisfatório e 10% Medíocres;
2) presidentes de câmara com cada ano contando por dois para efeitos de reforma;
3) professores que no último ano de reforma não têm trabalho distribuído;
4) políticos e gestores públicos acumulando vários vencimentos e reformas;
5) gestores públicos (Banco de Portugal e Caixa Geral de Depósitos) criam os seus próprios esquemas de reformas milionárias;
6) deputados com reformas vitalícias ao fim de 12 anos de serviço;
7) o sindicato dos professores requisita cerca de 1000 professores para comissão de serviço no sindicato;
8) o Ministério da Agricultura tem 1 funcionário para cada 4 agricultores, etc. etc, é caso para dizer QUEM NOS ACODE ? temos pois agora a esperança de que finalmente um Primeiro Ministro tenha a coragem de enfrentar os ’lobbies’, os privilegiados e os ricos e impor-lhes restrições de forma a que também contribuam para ’pagar a crise’ e que não sejam apenas sempre os mesmos, isto é, a chamada classe média a suportar os sacrifícios.

É verdade que Portugal se encontra numa situação muito difícil em que o sector público absorve cerca de 49% do PIB, uma das mais elevadas taxas da Europa, e em que os gastos com os salários da função pública rondam os 15% do PIB quando a média na União Europeia é de 10%. Temos três monstros consumidores da nossa riqueza: além da Função Pública em geral temos os outros dois monstros que são: a Saúde e a Educação , cuja despesa por habitante/estudante do secundário se situa na média europeia e cujos resultados são muito maus, conforme todos nós sabemos, em relação aos nossos parceiros europeus e, por isso, se torna necessário libertar mais recursos poupando na despesa e utilizando no investimento público e no apoio ao crescimento económico e à criação de postos de trabalho no sector privado para os jovens e desempregados e mais e melhor protecção social para todos.

Portugal necessita de conseguir equilibrar, no médio prazo, as suas finanças públicas, sob pena de ser penalizado no acesso aos fundos estruturais e de coesão da União Europeia, pois a estrutura do nosso défice, por se situar exactamente no volume de despesa exagerada com a função pública, não se compara à estrutura do défice da Alemanha e da França que são ainda devidos a situações de reunificação da Alemanha e de investimentos públicos. Portugal deve pois aproveitar alguma flexibilidade concedida pela revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento para definitivamente resolver o problema das contas públicas.

A atitude dos funcionários públicos é crucial para atingir aquele objectivo, pois de pouco valerão as novas políticas de contenção das despesas com o funcionalismo público, diga-se ainda insuficientes, se os próprios funcionários não adoptarem uma cultura de colaboração, de serviço e de solidariedade com os as políticas de reestruturação aprovadas pelo governo. Com efeito, dos funcionários públicos espera-se mais produtividade, mais dedicação à coisa pública, mais qualidade de serviço e mais trabalho efectivo.
Aos sindicatos da função pública exige-se uma atitude de concertação e de responsabilidade perante as dificuldades do país, será que apenas defender os direitos exagerados do funcionalismo público credibiliza os sindicatos ? Alguém se lembra dos sindicatos defenderem o dever de trabalhar e dizerem que é preciso aumentar a produtividade?

A Itália, há alguns anos atrás, também teve o problema dos gastos exagerados e privilégios dos funcionários públicos e políticos e foi no tempo do Primeiro Ministro Betino Craxi que foi pedido à Função Pública uma mudança de atitude de menos reivindicações de direitos para uma atitude de aceitação da redução de privilégios e de mais e melhor trabalho e serviço à sociedade, ao que os italianos responderam positivamente.

É pois necessário que o funcionalismo público português, os políticos e gestores públicos sigam o exemplo dos italianos e assumam o seu patriotismo e solidariedade aceitando as restrições e cumprindo com os objectivos do governo. É necessária uma maior justiça social e este será um primeiro passo para um futuro que se quer seja muito mais solidário.

Gostaria de referir a habitual excelência de oportunidade e conteúdo dos artigos do Sr. Padre José Maia e salientar o artigo publicado na edição de Junho, intitulado: Portugal: um grande desafio. Com efeito, Portugal, cuja situação é quase de "uma equação impossível" enfrenta grandes desafios sendo o da mudança de atitude da Função Pública um dos mais cruciais.
O futuro dos nossos filhos e da independência de Portugal, pode parecer exagero, mas está neste momento, dependente de como a Função Pública e os Sindicatos aceitarem colaborar. Portugal precisa de muito mais trabalho e não de greves em defesa de privilégios injustificados mais próprios dos países do chamado terceiro mundo minados pela corrupção.

* Economista. Representante da CNIS no Comité Económico e Social Europeu

 

Data de introdução: 2005-07-30



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...