ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Um ano do pior e do melhor

Ano após ano, os homens vão construindo, com maior ou menor êxito, a história do mundo. Conscientes disso, e numa altura em que 2016 já passou, apetece perguntar se este terá sido um ano para esquecer ou para recordar. Referimo-nos, naturalmente, à história do mundo, independentemente da nossa história pessoal, embora uma não se possa separar totalmente da outra.

O ano de 2016 será para esquecer ou para recordar? A reposta a esta pergunta não será muito diferente das que demos noutras alturas, a propósito da chegada de um novo ano. Pensando em alguns dos anos que já passaram, parece que são fortes as razões para os recordar; pensando noutros, parecem em maior número os motivos para os esquecer, ou pelo menos para querer esquecer. O ano de 2016 pertencerá certamente a este grupo.

É verdade que, não obstante o agravamento das relações entre a Rússia e os Estados Unidos em 2016, não sofremos os horrores nem estivemos muito perto de uma terceira guerra mundial, que é sempre a mais temida das ameaças que pesam sobre a Humanidade. Mas no ano que terminou, muitos povos conheceram os efeitos de conflitos que, sendo embora locais ou regionais, tiveram consequências humanitárias e políticas que ultrapassaram largamente as fronteiras dos países em que tiveram lugar.

No final de 2016, vislumbravam-se já sinais do reacendimento dos conflitos tribais na República Democrática do Congo e noutras regiões africanas e parecem estar de regresso as tensões entre israelitas e palestinianos no Médio Oriente. É verdade que foi aprovado um cessar fogo na Síria, mas ninguém parece acreditar que seja para valer. E, sem um cessar fogo autêntico, a Síria continuará a fornecer as maiores vagas de refugiados na área do Mediterrâneo.

É verdade que a crise dos refugiados não teve início apenas em 2016, mas bem se pode dizer que ela marcou indelevelmente o ano que passou. Foi um ano que nos deixou um retrato fiel da Humanidade, no que esta tem do pior e do melhor. Do pior, se tivermos em conta que a maioria das desgraças que se abateram sobre a humanidade resultaram do fanatismo, da ambição, do orgulho, do ódio étnico e religioso, ou simplesmente da indiferença e da inconsciência dos homens, a começar pelos seus governantes. Do melhor, porque, apesar de tudo, no ano que passou, não faltaram exemplos e testemunhos de preocupação e de solidariedade para com as vítimas das tragédias provocadas pela loucura dos homens. Testemunhos protagonizados individualmente ou por associações de homens e mulheres, que lutam contra a indiferença, contra os preconceitos e contra os interesses imediatos de quantos se sentem ameaçados pelos novos “invasores”

Certamente que o melhor de 2016 será para recordar, mas o pior do ano que passou não é para esquecer. Até para que 2017 possa ser melhor.

 

Data de introdução: 2017-01-06



















editorial

MANTER E APROFUNDAR A INTERVENÇÃO DAS IPSS (por João Carlos Dias)

Depois do importante papel que desempenharam, decisivo para suportar as consequências da grave crise que vivemos e ainda sem tempo de recuperar do esforço despendido, as IPSS são confrontadas com novos desafios que não escolheram, mas que terão...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Não há idade para trabalhar
Ora cá está uma boa notícia, que não tem de meter política, daquela política politiqueira: a idade não é obstáculo para encontrar trabalho!As...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Carros e camiões: a nova arma do terrorismo
O recente atentado de Westminster veio confirmar a impossibilidade, de uma vitória definitiva no combate ao terrorismo. Os grandes responsáveis pela política mundial não se...