HENRIQUE RODRIGUES

O Orçamento da Educação

1 - O Conselho Nacional de Educação acaba de editar a publicação “Estado da Educação 2015”, onde traça um retrato minucioso da estrutura e funcionamento do sistema educativo em Portugal no ano de 2015.
Trata-se (o referido Conselho Nacional de Educação) de um organismo oficial, credível e imparcial, devendo os indicadores apresentados na referida publicação ser por nós apreciados com a segurança garantida pela confiabilidade da respectiva fonte.
No que respeita à educação pré-escolar, que diz particularmente respeito às nossas IPSS, o estudo refere que, “no ano lectivo de 2014/2015, das 264.660 crianças a frequentar este nível, 46,5% estavam em estabelecimentos de ensino privado” – onde avulta, como é sabido, desde 1997, a rede solidária.
Como sabemos, a generalização da educação pré-escolar às crianças portuguesas fazia parte da “paixão pela Educação” que sobressaltava as cordas do coração do Primeiro-Ministro António Guterres, que, para atingir rapidamente esse seu objectivo, convidou então as Instituições Particulares de Solidariedade Social a integrarem a Rede Nacional de Educação Pré-Escolar, trazendo para essa Rede e esse desígnio a sua capacidade instalada, maior e mais antiga do que a Rede Pública existente à época.
É por isso que uma percentagem tão saliente das crianças portuguesas entre os 3 e os 5 anos frequenta estabelecimentos de ensino privados, designadamente da Rede Solidária.
(A este desígnio de António Guterres me refiro na crónica do mês passado, embora a outro propósito.)
Ora, uma das coisas que o estudo “Estado da Educação 2015” nos revela, designadamente nas páginas 71 e 72, é que a pretensão de António Guterres foi, em grande medida, já atingida, pelo menos no que diz respeito às crianças com 4 e 5 anos.
Com efeito, ao que nos diz o Estudo, a taxa da pré-escolarização em Portugal, no ano lectivo de 2014/2015, era de 88,5%, sendo mais reduzida na Área Metropolitana de Lisboa, no Algarve e nos Açores – 78,8%, 82,9% e 86,4%, respectivamente -, mas sendo superior à média em todas as outras NUT’S: 93,9% na Região Norte, 94,5% no Centro, 95,4% no Alentejo, 94,1% na Madeira.
Diz-nos ainda esse estudo que a taxa de pré-escolarização apresenta um crescimento sistemático ao longo dos últimos anos, tendo atingido o valor máximo de 97,9% quanto aos 5 anos de idade, em 2011/2012, e de 91,6% quanto aos 4 anos de idade, também em 2011/2012.
Quanto aos 3 anos, a taxa de pré-escolarização encontra-se também numa trajectória crescente, atingindo em 2014/2015 a percentagem de 78,7% das crianças dessa idade.

2 – Sendo este o retrato da educação pré-escolar, tem-me causado alguma perplexidade a frequência com que os responsáveis do Ministério da Educação vêm insistindo na necessidade de generalizar o acesso aos estabelecimentos da rede das crianças com 4 e 5 anos, fazendo disso uma prioridade política de primeira linha.
Como se tal acesso não estivesse já generalizado entre nós …
Como se não se tivesse atingido já a meta fixada, correspondendo à média europeia, em 2012, quanto aos 5 anos e não fossem os estabelecimentos da rede frequentados por mais de 90% das crianças com 4 anos!
Como se a frequência da educação pré-escolar constituísse um problema, e não, como na verdade constitui, um exemplo de sucesso …!
Percebo mal, com efeito, como é que, tendo indicadores na educação pré-escolar que nos colocam no patamar mais elevado dentro da Europa civilizada – o que acontece tão escassamente noutros domínios -, o próprio departamento do governo responsável por esta área insinue um estado da situação mais próximo do Terceiro Mundo, sugerindo que temos de colocar mais crianças nos jardins de infância – apesar de já lá andarem todas as que o querem fazer.
E que são quase todas as que vivem no nosso País.
Eu sei que vários Governos têm andado, nos últimos anos, a construir mais salas de jardim de infância, à sobreposse, como adorno das escolas públicas, mesmo não havendo mais crianças para as frequentar.
Como se se estivesse à espera de alguma explosão demográfica para breve.
Que não virá, como se sabe.
Tais salas faziam parte da ”festa” que foi a Parque Escolar, como lhe chamou a ex-Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues.
Sabemos, porém, como essa “festa” acabou, com pedido de resgate por José Sócrates, seguidos por 4 anos de empobrecimento à força.
Já há mais lugares nas salas do que crianças para lá meter – mesmo que se pretenda, como me parece bem, atingir para as crianças de 3 anos as metas de mais de 90% que os seus irmãos de 4 e 5 anos já atingiram.

3 – Percebi, da entrevista dada esta semana pelo Ministro da Educação a uma estação de televisão, que o Orçamento da Educação vai sofrer um corte relativamente à despesa de 2016.
Tal contingência orçamental exige parcimónia na eleição das fontes de despesa pública, não vá o Orçamento ser ultrapassado por imprevidente execução, deixando de cumprir o Tratado Orçamental e apanhando mais um ralhete de Bruxelas – já que não temos possibilidade de negociar com a UE o lifting das contas, como fez a França.
Ora, pensando – erradamente – o Ministério da Educação que há precisão de salas para a educação pré-escolar, por não ter lido o Estudo, pode lembrar-se de continuar a construí-las.
Mas não terá depois crianças para elas …
Mais vale, pois, o Governo guardar-se e reservar as verbas disponíveis para outras sortes, para prioridades que o sejam, em vez de insistir em despesa com verdadeiras redundâncias.
É por essa razão que venho ao assunto: pode, por sorte, algum leitor do “Solidariedade” que tenha responsabilidades públicas na Educação ser alertado por esta crónica breve para o teor do Estudo produzido pelo Estado a que me refiro acima.
E aí perceber que está “atrasadíssimo nos gregos” (Carlos Drummond de Andrade) na proclamada ambição para o pré-escolar.
(Essa bandeira já foi entregue, e bem, ao Engº António Guterres.)

4 – Compreendo os motivos que levam muitos dos apoiantes da actual solução de Governo a defender a renegociação da dívida pública.
Também me parece que os mais de 8 mil milhões de euros que pagamos anualmente de juros aos credores pela dívida seriam mais bem empregados na mais justa distribuição de rendimentos e na diminuição das desigualdades entre portugueses.
Mas esse desígnio não justifica que o dinheiro público – que sai sempre dos nossos impostos, haja ou não haja Tratado Orçamental – se gaste onde, não só não é preciso, como é prejudicial.
Aqui fica, pois, a minha contribuição pessoal para o equilíbrio orçamental e para a saída do procedimento por défice excessivo.

Henrique Rodrigues (Presidente do Centro Social de Ermesinde)

 

Data de introdução: 2016-11-10



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....