AGOSTO 2016

Adenda 2016

A Adenda 2016 enquadra-se num ambiente de estabilização e de desenvolvimento da cooperação, em que se reafirmam princípios de um Pacto para a Cooperação e Solidariedade que, durante décadas, tem regido a parceria entre o Estado e as Instituições de Solidariedade e reconhece que a estabilidade da relação é fundamental na prossecução do desenvolvimento das respostas sociais. Aí se reforçam os princípios da transparência, da confiança e da partilha de um plano estratégico no âmbito do desenvolvimento social, que garanta a sustentabilidade do Sector Solidário e a acessibilidade aos serviços sociais, mantendo a qualidade dos serviços prestados às populações.

Finalmente, entre outras novas ou renovadas vias, a Adenda estabelece que a comparticipação financeira, devida por força dos acordos de cooperação celebrados para as respostas sociais, aumenta 1,3 % face ao observado em 2015. Deste aumento, 0,4% visa compensar os encargos decorrentes do aumento gradual da TSU e 0,9% traduz a atualização de todos os acordos de cooperação em vigor, o que representa um acréscimo de 0,3% de aumento nesta componente face ao ano anterior visando compensar o acréscimo de despesas com o funcionamento das respostas sociais e contribuir para a sustentabilidade económica e financeira das instituições.

Esta atualização produz efeitos a 1 de janeiro de 2016 e, tão brevemente quanto possível (que não certamente sinónimo do desejável) começará a ser processada.

 

2. Entre nós, a protecção social das pessoas e famílias em situação de maior desfavorecimento – pobreza, desemprego, abandono familiar, abandono escolar, integração das pessoas com deficiência ou doença mental, cuidados aos idosos -, através de modalidades e serviços de ação social e de prestação de cuidados de saúde, é desenvolvida maioritariamente pelas Instituições de Solidariedade, que constituem uma rede solidária, emanada da sociedade civil, que abrange todo o território nacional, numa rede de proximidade e de capilaridade que o irriga, desde as maiores cidades até às aldeias mais abandonadas e periféricas.

Com o grande envolvimento de compromisso da comunidade, as Instituições utilizam meios próprios e recursos que o Estado necessariamente tem de disponibilizar. Todas elas muito têm apostado numa gestão cuidada e rigorosa porque sabem muito bem o que fazem, com o que fazem e em favor de quem fazem. Não excluindo ninguém, porque são não só solidárias como também inclusivas, estas Instituições prestam serviço público e privilegiam muito especialmente as pessoas e as famílias em situação de maior desfavorecimento. E desta matriz jamais se desviarão.

Muito embora Portugal pareça ser um "jardim à beira-mar plantado", não é propriamente um "jardim" uniformemente florido. Aqui há grande diversidade. Se as Instituições têm todas o mesmo espírito, confrontam-se com uma grande diversidade de situações. Também as aldeias mais longínquas e mais abandonadas, os bairros mais pobres e mais periféricos e as comunidades mais envelhecidas e mais deprimidas beneficiam do dedicado apoio de Instituições de Solidariedade, que normalmente se confrontam com grandes dificuldades e que reclamam um olhar compensatório do Estado.

A Adenda está no bom caminho quando faz adivinhar um compromisso mútuo (Estado e Instituições) na garantia da sustentabilidade do Sector Social Solidário.

 

3. As Instituições de Solidariedade sempre defenderam e defendem intransigentemente transparência e rigor e sempre aceitaram e aceitam sem quaisquer constrangimentos o escrutínio público.

Evidentemente, transparência, rigor e escrutínio comuns e extensivos a tudo quanto é serviço na causa comum.

Afirmando acautelar o nível de autonomia, gestão e independência exigíveis a órgãos com competências inspetivas, a Adenda está no bom caminho quando aponta para a necessária atuação rigorosa e transparente daquele órgão em sede de funcionamento do mesmo e mediante a elaboração de um manual de boas práticas visando estabelecer um conjunto de regras de atuação uniforme, bem como a definição de critérios e indicadores de fiscalização.

Um Estado social é incompatível com a instalação no seu seio de estados sem escrutínio.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2016-08-05



















editorial

IPSS e Economia Social

Para uma melhor compreensão da Economia Social no nosso país, com dados relativos a 2013, o INE atualizou a Conta Satélite da Economia Social, que veio confirmar a dimensão e a relevância económica e social deste setor. No caso das...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O futuro da Europa
Há uma espécie de consenso geral acerca da importância decisiva que algumas eleições, previstas para este ano em alguns países, terão no futuro da Europa....

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Eles comem tudo...
Pedindo desculpa pela invocação de José Afonso num tempo em que seria suposto reinar neste “jardim à beira mar plantado” um clima de justiça e paz social,...