PADRE JOSÉ MAIA

“… E se fosse consigo? “

Ora cá está um excelente formato de comunicação televisiva, a reportagem de rua, para, na forma de uma simples pergunta, simulando diversas situações de vida, costumes e valores, confrontar a opinião pública com as distintas formas de reagir!

Programas como este demonstram que a comunicação social presta um verdadeiro “serviço público”, sempre que se preocupam mais em prestar atenção à voz do povo, a “opinião pública”, e menos, em serem a voz dos donos quando pretendem induzir os leitores e/ou telespetadores e ouvintes a sujeitar-se aos ditames da “opinião publicada”!

Aliás, os fóruns que, recorrentemente, ocupam um espaço privilegiado nas rádios e televisões, representam uma outra forma de participação cívica dos cidadãos, que deveria aconselhar quem toma decisões, aos mais variados níveis, a prestar mais atenção à “voz do povo”.

Admitindo que a Instituição, em que cada leitor do SOLIDARIEDADE trabalha, fosse convidada a sugerir temas/situações para merecerem uma reportagem para a rubrica “…e se fosse consigo?”, que sugestões seriam dadas?

Permito-me, a título de exemplo, apresentar algumas interpelações que deveriam merecer uma atenção especial.

Assim:

  1. O drama de imensa gente, sobretudo pessoas idosas, em situação de doença, pobreza e solidão que, após tratamento em hospitais, o que mais receia é a alta hospitalar por não ter nem casa nem gente para a ajudar na convalescença. É uma realidade que acontece com muita frequência em quase todos os hospitais, com honrosas exceções de alguns, onde existe o cuidado de não enviar as pessoas para casa, enquanto o serviço social não encontrar alternativa.

  2. Já agora, e apesar do bom e profissional atendimento nas lojas do cidadão, concentrando num só espaço respostas a muitas exigências administrativas próprias da nossa condição de cidadãos, uma boa reportagem a gente que se manifesta, por um lado, revoltada com certas faturas de alguns serviços, que considera elevadas e desproporcionadas às despesas feitas e, por outro, impaciente por ter de perder tanto tempo em filas de espera, poderia ajudar-nos a perceber que, apesar dos méritos do simplex, há objetivas razões de queixa por muitas práticas administrativas de faturação pouco transparentes de alguns serviços e algumas empresas!

  3. Por fim, mas não menos importante: vai sendo tempo de não nos resignarmos a considerar o drama do desemprego, apenas numa perspetiva de leitura dos dados estatísticos que o INE nos vai apresentando. Por detrás dos números estatísticos há dramas de centenas de milhar de pessoas que o país não pode esquecer. Para quando uma boa reportagem sobre as causas de tanto desemprego e uma interpelação ao Governo e às Empresas procurando saber que iniciativas se poderão tomar para garantir ao maior número possível de cidadãos o “direito ao trabalho” (ponto 1 do artigo 58º da Constituição da República).

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2016-06-12



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...