ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O culto da violência e os ataques à civilização

A cada dia que passa, vai sendo mais conhecida a dimensão dos ataques do chamado estado islâmico à civilização em geral, e ao cristianismo em particular. A destruição, na Síria, das maravilhosas colunatas da cidade de Palmira, com os seus dois milénios de história, hoje conhecida como Tamdur, foi um dos exemplos mais chocantes e mediatizados da cegueira dos seus militantes, empenhados em eliminar todos os vestígios de qualquer civilização que não partilhe dos princípios do islamismo radical, por mais brilhantes e ricos que sejam esses vestígios, como foi o caso.

Foi assim também desde o início da “guerra santa” a que se votaram esses militantes, com as suas tentativas de eliminação do cristianismo e das suas manifestações culturais. Não há muito tempo, a Comunicação Social deu conta do assalto ao museu de Mossul e da destruição da sua famosa biblioteca. Este acto de puro vandalismo traduziu-se no desaparecimento de milhares de obras, entre as quais manuscritos cristãos de um valor incalculável. Mais recentemente, foi a notícia de que os djihadistas destruíram, também no Iraque, o mosteiro de santo Elias, o santuário cristão mais antigo do país, com aproximadamente 1400 anos.

Política e economicamente, Mossul, que muitos afirmam estar assente sobre as ruínas da antiga cidade bíblica de Nínive, é a terceira cidade do país, e foi ocupada por aquele grupo djihadista em Maio de 2014. Hoje, sofre o assédio das forças governamentais e das forças internacionais que combatem o Daesh e tentam a sua reconquista. É uma guerra que está para durar, e que, entre muitos outros, tem um efeito colateral garantido: o desaparecimento de tesouros culturais e artísticos de valor incalculável.

O Daesh, não é o único grupo radical islâmico a atacar, violentamente, outras religiões e as suas expressões artísticas e culturais. Basta recordar a destruição, em 2001, às mãos dos talibãs, das famosas estátuas de Buda de Bamian, apesar de classificadas como património da Humanidade. No entanto, são as comunidades cristãs aquelas que mais dolorosa e pesadamente sofrem as consequências do radicalismo cego dos militantes do chamado estado islâmico. Importa, no entanto, lembrar que o culto da violência por parte de grupos radicais islâmicos não precisa de motivações especificamente religiosas ou artísticas para se justificar. Na maioria dos casos, basta ser-se estrangeiro, como aconteceu recentemente em dois países africanos: no Burkina Faso e na Somália. Mas, se a este rol, acrescentarmos outros países, como por exemplo a Nigéria, temos de concluir que se trata do culto da violência pela violência.

 

Data de introdução: 2016-02-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...