CHAMA DA SOLIDARIEDADE

Évora em festa solidária

De Vila Viçosa a Évora, passando pelo Alandroal e pelo Redondo, a Chama da Solidariedade cumpriu a derradeira etapa do périplo solidário que na segunda-feira iniciou no Porto rumo à cidade do Templo de Diana, onde hoje se realiza a IX Festa da Solidariedade.

E foi, precisamente, junto ao monumento romano que a tocha solidária deu entrada em Évora, um momento que contou com a presença de diversas IPSS da cidade e ainda de várias autoridades civis, como o edil Carlos de Sá e a sua vice-presidente Élia Mira, para além de vários dirigentes da CNIS e da UDIPSS Évora.

Já com o manto da noite a cobrir o céu alentejano, a Chama da Solidariedade iluminou a Praça do Giraldo, onde Élia Mira dirigiu algumas palavras ao muito público presente.

“Quero dar as boas-vindas a todos e agradecer à CNIS ter feito de Évora, por estes dias, a capital da solidariedade”, começou por dizer a vice-presidente da autarquia, lembrando que “os tempos difíceis que temos vivido foram menos difíceis para as pessoas pelo trabalho das IPSS”, sublinhando: “Todos somos mais ricos por causa do trabalho destas instituições”.

A terminar, a autarca referiu que “a solidariedade faz-se no dia-a-dia e no trabalho de cada um de nós”.

Antes já tinha havido um momento musical pelo Coro da ARPIE, terminando a noite solidária em Évora com a atuação da banda Estilhaços, um grupo de jovens de Vila Viçosa e Borba que interpretaram temas bem conhecidos do rock português.

Foi uma espécie de aperitivo para a Festa da Solidariedade que hoje tem lugar nessa mesma Praça do Giraldo, bem no coração do centro histórico de Évora.

Antes, e após pernoitar em Vila Viçosa, a tocha solidária visitou o Alandroal. No Fórum Cultural da vila alentejana, Mariana Chirla, presidente da autarquia, referiu estar “o Alandroal muito honrado” com a passagem da caravana da CNIS pelo concelho, formulando um desejo: “Que o calor e o brilho da Chama da Solidariedade possa permanecer no coração de todos”.

Mariana Chirla lembrou ainda que “a resposta das IPSS é fundamental, tal como a ação de todos os alandroenses, para que a vida seja melhor para todos, em especial dos que mais precisam””, apelando “ao espírito de convívio, de partilha e de solidariedade” de todos e que “a Chama leve a ideia da necessidade de se reforçar os laços entre as pessoas”.

Para abrilhantar a presença da flama solidária no Alandroal, a Tuna da Escola Popular interpretou uma série de temas do cancioneiro popular alentejano.

Já da parte da tarde, a Chama da Solidariedade rumou ao Redondo, sendo recebida pelos Bombeiros Voluntários locais e ainda um grupo de jovens escuteiros. Já no Centro Cultural, antes do momento musical a cargo do Grupo de Cantadeiras do Redondo e ainda de um grupo de crianças do Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde, o vice-presidente da edilidade redondense, José Manuel Portel, enalteceu “a nobre iniciativa da CNIS”, pois “serve para chamar a atenção e é um contributo para se pensar o que é a solidariedade”, incitando à “partilha entre as instituições sociais para melhor se combater as dificuldades dos portugueses”.

 

Data de introdução: 2015-09-12



















editorial

Gestão de negócio e Desenvolvimento Local

No entender da CNIS, seria possível, e desejável, aproveitar a rede capilar de Instituições de Solidariedade para assegurar, com financiamento próprio, a manutenção de alguns desses bens e serviços de interesse...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

"Ó Pátria sente-se a voz..."
O nobre povo, que somos nós, após anos de troika e duras medidas de austeridade, começava a celebrar boas notícias de milhares de novos empregos que se têm criado, de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Uma promessa esquecida
No passado dia um de Outubro, realizou-se o referendo sobre a independência da Catalunha. A consulta, que provocou uma grande expectativa mediática, traduziu-se num resultado...