ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A obsessão da iconoclastia

Nas últimas semanas, muita gente ouviu falar, pela primeira vez, de uma cidade esquecida, embora classificada pela Unesco, há vários anos, como património cultural da Humanidade. Referimo-nos, à cidade de Palmira, agora conhecida como Tamdur que, no século III, sendo uma província romana, a famosa rainha Zenóbia quis transformar em capital do seu próprio reino. Situada no coração da Síria, a 210 quilómetros de Damasco, foi a ameaça de ser conquistada pelo chamado “estado islâmico” que justificou o relevo noticioso que os “media” lhe dedicaram. As imagens que acompanhavam os textos, mesmo que fossem quase só de ruínas, atestavam os motivos daquela classificação. Só por si, a beleza e a altura daquelas colunas chegavam para confirmar que estamos perante um tesouro cultural da Humanidade. A ameaça concretizou-se, os combatentes do “estado islâmico” conquistaram a cidade, e só não destruíram totalmente esse tesouro, porque algumas das suas riquezas foram retiradas a tempo.

A obsessão da iconoclastia parece ser uma das características dos fanáticos de todos os tempos. Veja-se o comportamento dos talibãs que, no ano de 2001, destruíram as famosas estátuas de Buda de Bamyan, com os seus 52 e 38 metros de altura respectivamente, levantando clamores de protesto em todo o mundo e tornando mais “aceitável” a invasão do Afeganistão. Veja-se ainda o que os combatentes do “estado islâmico” fizeram em diversas cidades históricas do Iraque e da Síria, e ainda no Museu de Mossul. É que, pelo menos aparentemente, a destruição de bens culturais, testemunhos e símbolos de outras civilizações, constitui um objectivo da sua luta pela implementação de um mundo novo. Ora acontece que, neste caso, a implementação deste mundo novo passa pelo culto da guerra, de tal modo que o líder do estado islâmico não teve dúvidas em proclamar, recentemente, e contrariando a maioria dos dirigentes muçulmanos, que o Islão é a religião da Guerra e não da Paz.
Embora estas afirmações não se devam tomar à letra, porque se inserem predominantemente numa estratégia de guerra psicológica, elas são suficientemente ameaçadoras para justificarem o receio de que o mundo enfrenta um inimigo visceralmente dominado pelo ódio e pela irracionalidade. A obsessão da iconoclastia é apenas uma das expressões mais visíveis desse ódio e dessa irracionalidade.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2015-06-12



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...