PADRE JOSÉ MAIA

Abutres à solta

É conhecido o ditado: “gaivotas em terra, tempestade no mar”!

Parafraseando, num outro contexto, esta mensagem das gaivotas, que tal esta provocação: “abutres financeiros à solta, multidões de pobres e explorados em risco”?!

Nos últimos tempos, a opinião pública tem acompanhado, com atenção e repúdio, as audições que a comissão parlamentar de apuramento ao que se passou com a família Espírito e Companhia Limitada tem vindo a realizar, há meses, na Assembleia da República.

De passagem, é de salientar o excelente e muito bem documentado trabalho dos deputados desta Comissão.

Em relação ao desfile parlamentar de tantas pessoas relacionadas com o universo da alta finança e, de modo especial, com a nata de tantos gestores de topo, de peito enfeitado com tantas condecorações e com as suas contas bancárias recheadas com indecorosas mordomias de dinheiro que não ganharam com o seu trabalho, apetece perguntar: em nenhum momento se interrogaram sobre as tristes e provocadoras respostas que têm andado a dar à comissão?

Permito-me utilizar esta página do SOLIDARIEDADE para lhes recomendar uma leitura atenta destes dois textos bíblicos:

“O vosso ouro e a vossa prata enferrujaram-se e a sua ferrugem dará testemunho contra vós” (Tiago, 5,3);

“O salário que defraudastes aos trabalhadores que ceifavam os vossos campos, clama e os seus gritos chegaram aos ouvidos do Senhor” (Tiago, 5,4).

 

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2015-03-08



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...