OPINIÃO

“Ostinato Rigore”

1 - Em Agosto de 2004, deixei nesta crónica o palpite de que a coligação do PSD de Santana Lopes com o PP de Paulo Portas seria como os amores de Verão - intensos, mas fugazes.
Alguns meses bastaram para confirmar a previsão - à aparente euforia inicial veio a suceder a feia discussão na praça pública das quezílias e das queixas recíprocas e a implosão da coligação em estilhaços. 

Pouco tempo depois - em Outubro de 2004 - também neste lugar augurei, a propósito da reforma do Eng. Mira Amaral , de 3.500 contos mensais, que em breve o Governo viria dizer aos funcionários públicos que a situação financeira da C.G.A. impunha a diminuição das suas reformas. 

Este vaticínio cumpriu-se esta semana, pela voz do actual Ministro das Finanças, Dr. Campos e Cunha.
Não se trata de nenhum dom divinatório meu. Mas a gente, com os anos, atinge um grau de cepticismo que faz com que as coisas que acontecem raramente nos surpreendam.
Como diz a sabedoria popular, muito sabe o diabo, não por ser sábio, mas por ser velho.
Vou portanto continuar com estas crónicas. Não são elas que provocam os acontecimentos; apenas por vezes os antecipam.

2 - O que hoje me traz a terreiro é o défice e a dúvida de saber se há vida para além dele.
(Claro que há - "a dúvida é a vida", como escreveu, num poema, David Mourão Ferreira).
Por grosso, pode dizer-se que quem vai pagar a crise são os funcionários públicos: aumenta-se-lhes a idade da reforma dos 60 para os 65 anos de idade, mesmo àqueles que começaram a trabalhar antes de 25 de Abril de 1974, modifica-se, para pior, a fórmula de cálculo da pensão inicial, igualando-a à utilizada para o regime geral da Segurança Social. 

Diz o Governo que estas mudanças visam terminar com "privilégios injustificados" dos funcionários públicos; e que aquilo a que chama "convergência" com o regime da Segurança Social é feito em nome da justiça.
De acordo com as boas técnicas de agit-prop, trata-se primeiro de preparar o ambiente para o apoio popular - e populista - ao "fim dos privilégios". 

Foi, por um lado, o tom geral dos jornais ligados aos grandes grupos económicos (os editoriais do Director do Público de ataque à função pública são, a este propósito, um verdadeiro paradigma).
Foi, por outro lado, o coro, (com o papel que tinha na tragédia grega) dos sábios do costume, normalmente economistas com passado ou presente na administração da banca, sempre os mesmos a dizerem sempre o mesmo nos mesmos sítios, augurando os malefícios da máquina do Estado e da burocracia na competitividade do país e reclamando o fim dos "privilégios".
Foram, por cima, os empresários adventícios, novos-ricos dos tempos da democracia, cuja acumulação do capital nasceu da manipulação bolsista dos idos de 80, com o dinheiro dos outros e a complacência de políticos rendidos à riqueza e aos seus vícios, a juntar-se ao mesmo coro, e a serem ouvidos como sumidades nos mesmos jornais. 

E foram, por baixo, o mix de políticos, ex-políticos e empreendedores - como agora se diz -, que entre si distribuíram os despojos nas privatizações, fazendo seu, a preço de saldo, o que pertencia a todos; também eles indignados com os "privilégios".
Entende-se: os banqueiros querem continuar a não pagar impostos, e que sejam os pobres a pagar por eles; os empresários do dinheiro dos outros pretendem um Estado com dinheiro folgado, para, com o talento que os exorna, o irem buscar para si próprios.

3 - Eu creio que o Senhor Ministro das Finanças terá quem lho lembre.
Mas deixo também aqui algumas lembranças, que mostram que a situação da Caixa Geral de Aposentações não é culpa dos funcionários e aposentados da função pública, mas dos governos, e que a tese peregrina da "convergência" com o regime geral da Segurança Social é pura demagogia e mistificação. 

Mais valeria que o Ministro dissesse ao país que, enquanto os patrões descontam para a Segurança Social 23% dos salários dos seus trabalhadores, o patrão - Estado não faz o mesmo, relativamente aos seus empregados, para a Caixa Geral de Aposentações, pelo que esta, por culpa exclusiva dos governos, se encontra descapitalizada. 

E que, relativamente às dezenas de milhar de autarcas e ex-autarcas, deputados e ex-deputados, ministros e ex-ministros, governadores civis e ex-governadores civis, que obtêm volumosas reformas ao fim de apenas doze anos de descontos ou menos, quem paga esses privilégios, à custa das contribuições dos trabalhadores da função publica, é a Caixa Geral de Aposentações.
Dos trabalhadores, a Caixa recebe descontos durante 36 anos e paga a pensão durante um média de 20 anos - da idade da reforma, que é de 60 anos, à esperança média de vida, que anda pelos 80. 

Dos políticos, recebe descontos durante 12 anos e paga a pensão durante cerca de 45 anos.
(Às vezes até recebe descontos cerca de um ano e paga pensões de 3.500 contos, como no caso referido do Eng. Mira Amaral).
Eu creio que o Ministro das Finanças, nas medidas que propuser, será sensível aos direitos adquiridos dos trabalhadores da função pública, e não voltará a dizer o que disse: que esses direitos só vigoram até ao final do corrente ano. 

É que tais direitos já existem, embora só projectem a sua execução prática aos 60 anos de idade.
Que terá essa sensibilidade, parece--me que resulta do facto de, ainda esta semana, ter recusado renunciar a direitos adquiridos - embora no caso estivesse apenas a falar da sua própria reforma de 1.600 contos por mês, por 6 anos de serviço no Banco de Portugal.
(Já me pareceu menos bem, na entrevista que concedeu à RTP-2 no dia 29 de Maio, e num gesto de identificação com as vítimas das suas medidas, ter salientado que ele próprio seria afectado com a passagem da reforma dos 60 para os 65 anos - quando se veio a saber, dois dias depois, que o mesmo governante, que tem menos de 60 anos, já se encontra reformado, num serviço público, com 1 600 contos de reforma). 

Na verdade, nisto de pedir sacrifícios, é mister pedi-los a todos, com equidade, em nome da justiça; com rigor e sem demagogias, em homenagem ao pudor.
Ninguém leva a mal ao Governo que seja pertinaz na luta contra o estado das contas públicas, se ele for liso nos argumentos e se der o exemplo a partir de dentro.
O "ostinato rigore", para além de ser um bom mestre na arte poética, como no belíssimo livro de Eugénio de Andrade a que esta crónica foi roubar o título, é também bom guia para as boas contas.
Mas, se lhe faltar o rigor , a "ostinatio" é apenas teimosia. 

* Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2005-06-28



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...