ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O Egipto e a absolvição de Mubarak

No último sábado de Novembro, a Comunicação Social deu algum relevo à libertação do Osni Mubarak, que foi presidente egípcio durante trinta anos e que estava a cumprir, desde 2011, uma pena de prisão perpétua. A sua condenação, que se seguiu a uma revolta popular liderada pela Irmandade Muçulmana, foi justificada pela sua responsabilidade, alegadamente directa, na repressão dessa revolta, e nas centenas de mortes que ocorreram nesses dias. A juntar a estas acusações, os juízes de então tiveram ainda em conta alegados crimes de corrupção cometidos por ele e por membros da sua família. O homem que governou o Egipto durante três décadas, e que teve um papel destacado na discussão de várias crises que agitaram o Médio Oriente, esteve mesmo em risco de ser condenado à morte.

Apesar da vaga revolucionária conduzida pelas forças islamitas, Mubarak teve sempre admiradores que se mantiveram fieis à sua antiga liderança e que puderam agora manifestar publicamente os seus sentimentos. Por coincidência, na véspera da proclamação judicial da sua inocência e da dos seus filhos, houve notícia de dois atentados, atribuídos à Irmandade Muçulmana. Esses atentados fizeram diversas vítimas, entre as quais se contavam elementos das forças armadas, o que significa, pelo menos, que a situação social e política do Egipto não vai conhecer, nos próximos tempos, a estabilidade que é necessária à reafirmação do país mais poderoso do Médio Oriente.

Vencidos pelo exército e pelas forças sociais que rejeitam o radicalismo islamita, os militantes da Irmandade Muçulmana vão regressar a uma estratégia de intervenção, mais ou menos clandestina, que não terá apenas contornos sociais, como aconteceu durante os anos de Mubarak, quando chamaram a si uma política de assistência social em que o governo era deficitário. Essa política aumentou exponencialmente a sua influência junto da população egípcia, sobretudo nas classes mais pobres. Acreditamos mesmo que os seus líderes irão juntar à sua política de apoio social uma estratégia de combate, com recurso a atentados que façam vítimas sobretudo entre as forças militares que depuseram o presidente Morsi. Este era um islamita que, apesar de não reivindicar posições fundamentalistas, garantia aos militantes da Irmandade Muçulmana a possibilidade de uma influência cada vez maior na sociedade egípcia.

O general Al Sisi, o comandante das Forças Armadas que acabou por assumir a chefia do Estado, vai enfrentar um desafio muito complicado, e a libertação de Mubarak não vem atenuar as suas dificuldades. Trata-se de uma libertação que, para os fundamentalistas islâmicos,é mais um motivo combater o actual regime.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2014-12-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...